Taxas das operações de crédito continuam em elevação, apura ANEFAC

  •  
Taxas das operações de crédito continuam em elevação (Foto: Divulgação) Taxas das operações de crédito continuam em elevação

As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em julho/2014, apurou a Pesquisa de Juros da ANEFAC – Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade. É a décima quarta elevação seguida, sétima elevação no ano, constata o diretor executivo de Pesquisa e Estudos Econômicos, Miguel José Ribeiro de Oliveira. As elevações podem ser atribuídas à piora do cenário econômico nacional com expectativa de piora nos índices de inflação e crescimento econômico o que aumenta o risco de crédito (expectativa de aumento nos índices de inadimplência). De acordo com Miguel Ribeiro de Oliveira, estes fatos têm levado as instituições financeiras a elevarem suas taxas de juros acima das elevações da Selic.

Pessoa Física

Das seis linhas de crédito pesquisadas três tiveram suas taxas de juros elevadas no mês (juros do comércio, CDC-financiamento de automóveis e cheque especial), duas tiveram suas taxas de juros mantidas no mês (cartão de crédito – rotativo e empréstimo pessoal-bancos) e uma teve sua taxa de juros reduzida (empréstimo pessoal-financeiras).

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,02  ponto percentual no mês (0,46 ponto percentual no ano) correspondente a uma elevação de 0,33% no mês (0,45% em doze meses) passando a mesma de 6,03% ao mês (101,90% ao ano) em junho/2014 para 6,05% ao mês (102,36% ao ano) em julho/2014 sendo esta a maior  taxa de juros desde julho/2012.
Pessoa Jurídica

Das três linhas de crédito pesquisadas, uma foi reduzida (conta garantida) e duas foram elevadas (desconto de duplicatas e capital de giro).

A taxa de juros média geral para pessoa jurídica apresentou uma elevação de 0,01 ponto percentual no mês (0,17 ponto percentual em doze meses) correspondente a uma elevação de 0,29% no mês (0,34% em doze meses) passando a mesma de 3,44% ao mês (50,06% ao ano) em junho/2014 para 3,45% ao mês (50,23% ao ano) em julho/2014 sendo esta a maior taxa de juros desde julho/2012.

Taxa de juros x Selic

Considerando todas as  elevações da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Banco Central desde março/2013, tivemos neste período (março/2013 a julho/2014) uma elevação da Selic de 3,75 pontos percentuais (elevação de 51,72%) de 7,25% ao ano em janeiro/2013 para 11,00% ao ano em julho/2014.
Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de 14,39 pontos percentuais (elevação de 16,36%) de 87,97% ao ano em março/2013 para 102,36% ao ano em julho/2014. Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma elevação de 6,65 pontos percentuais (elevação de 15,26%) de 43,58% ao ano em março/2013 para 50,23% ao ano em julho/2014.

PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES

Para a ANEFAC, tendo em vista o Banco Central ter mantido inalterada a sua taxa de juros básica (Selic) em sua última reunião, a tendência é que a curto prazo a Selic não seja alterada. Por conta disso, é provável que as taxas de juros das operações de crédito se mantenham inalteradas neste período a não ser que eventualmente, por conta da piora no cenário econômico, a inadimplência venha a ser elevada, o que levaria as instituições financeiras a subir suas taxas de juros mesmo em um ambiente de manutenção da Taxa Básica de Juros.
Outro fator a ser considerado, que eventualmente, poderá provocar reduções nas taxas de juros diz respeito ao fato de que o Banco Central ter reduzido os compulsórios o que poderá provocar alguma redução dos juros nas operações de crédito.

(Redação – Agência IN)