Ensino a distância ganha mais espaço no Brasil

  •  
Ensino a distância ganha mais espaço no Brasil (Foto: Divulgação) Ensino a distância ganha mais espaço no Brasil

Segundo informações do último Censo da Educação Superior, a oferta de ensino a distância cresceu 3,9% em 2015 no Brasil. E muitos acham que esse tipo de ensino é novo, porém, não é coisa nova, existe há praticamente um século e com muitas mudanças. “Nos últimos três anos as mudanças na educação a distância têm sido muito significativas. Temos hoje, cursos de Educação a Distância com características bem variadas, desde aquelas centradas em atividades assíncronas, ou seja, o estudante e o docente realizam seus papeis em momentos diferentes, até as que oferecem momentos de aulas presenciais. A escolha pelo modelo é do estudante que tende a levar em consideração seu estilo de aprendizagem, sua disponibilidade de tempo, o valor de investimento, sua maturidade para estudar e as questões do deslocamento”, disse a professora Katia Ethiénne Esteves dos Santos, coordenadora do Núcleo de Apoio Acadêmico - Pró-Reitoria Acadêmica da Universidade Positivo.

De acordo com a docente, a mudança do perfil dos estudantes de EAD revela esta aceitação, pois de 1995 a 2000 a média era de 42 anos, em 2010 era de 38 e em 2016 de 31 anos, uma mudança muito rápida, mas que revela que a geração que está inserida nas tecnologias e quem busca uma aprendizagem mais efetiva e participativa tem optado pela EAD. Outro dado interessante é que a EAD cresceu 7,2%, enquanto as matrículas no presencial diminuíram 1,2% entre 2015 e 2016 e de 2006 que representava 4,2% das matrículas, saltou para 18,6% em 2016.

“Há alguns anos tanto o mercado quanto os estudantes viam a EAD com desconfiança, porém, hoje não mais. Normalmente num processo seletivo não é feita a pergunta: Você fez seu curso a distância? Os diplomas não têm diferenciação, são reconhecidos pelo MEC, como os dos estudantes do presencial e os candidatos a uma vaga são tratados normalmente de forma igualitária”, ressaltou Katia.

A professora explica que pode parecer que os cursos à distância são somente para quem entende das tecnologias, o que não é uma verdade. “A maioria das pessoas poderia pensar que a vantagem é poder estudar em qualquer lugar, em casa, no ônibus por meio do celular, nos intervalos do trabalho e que o custo é menor, mas acredito e tenho estudado este assunto, que os ganhos são muitos para os estudantes. Para que o estudante alcance sucesso nos seus estudos, que é seu objetivo principal, nos cursos de EAD ele desenvolve competências e habilidades fundamentais para sua vida e para o mercado de trabalho, como: autonomia, disciplina, organização, proatividade e determinação.

Segundo a professora, existe a crença que a EAD é mais fácil. “As pessoas ainda fazem associações aos antigos cursos por correspondência, mas quem acha que eles eram fáceis? Imaginem os estudantes aprendiam sozinhos, o que não acontece hoje com a presença das tecnologias, que permitem o acompanhamento de um docente on-line para ampliar as possibilidades de aprendizagem dos estudantes. Outra questão importante é que o estudante da EAD precisa, muitas vezes, desenvolver competências e habilidades que não possuia e que sem elas não terá sucesso em seu curso. “Podemos citar que o estudante precisa de: disciplina, organização, proatividade, projeto de vida que inclua o curso, autonomia, curiosidade, característica de pesquisador e o condutor do seu processo de aprendizagem. Parece fácil ter todas estas características e ainda aprender os conteúdos? Acredito que exija muito dos estudantes, mas que faz dele uma pessoa melhor também, além de ter mais conhecimento”, ressaltou”, finalizou Katia.

(Redação – Investimentos e Notícias)