Mercado de escritórios do RJ apresenta elevação na taxa de disponibilidade

  •  
Monitoramento da Colliers indica que houve elevação de 8% na taxa de disponibilidade em relação ao ano anterior Foto: Divulgação Monitoramento da Colliers indica que houve elevação de 8% na taxa de disponibilidade em relação ao ano anterior

O mercado de escritórios de alto padrão do Rio de Janeiro passa por um ano desaquecido. A cidade teve um aumento de 8% em sua taxa de disponibilidade nos imóveis de classe A+ e A, passando de 19% em 2014 para 27%. Nos imóveis de classe B, a diferença na taxa de disponibilidade entre um ano e outro foi menor, 2%, com taxa de 10% em 2014 e 12% neste ano. Os dados são da Colliers International Brasil referentes ao terceiro trimestre do ano.

O inventário atual do Rio de Janeiro é de 1.340 milhão de m² nos imóveis de classe A+ e A, sendo que a maior parte está no Centro da cidade (793 mil m²) e Barra da Tijuca (269 mil m²). Os imóveis de classe B somam um inventário de 814 mil m² e o Centro também tem a maior concentração, 490 mil m².

A absorção líquida acumulada durante o ano está sendo mais favorável para os imóveis de classe A+ e A, que somaram 4 mil m² absorvidos até o fim do terceiro trimestre. Já os imóveis de classe B apresentam uma absorção negativa de 11 mil m².

Quanto aos preços médios pedidos de locação, os imóveis de classe A+ e A praticam preços de R$ 109,00 m²/ mês, sendo que os valores mais altos são encontrados nas regiões Leblon/Ipanema (R$ 231), Botafogo (R$ 187), Copacabana (R$ 150) e Flamengo (R$ 114). O preço médio pedido de locação para os imóveis de classe B é de R$ 99,00 m² /mês, com os maiores valores encontrados no Leblon / Ipanema (R$ 200), Botafogo (R$ 133), Flamengo (R$ 130) e Barra da Tijuca (R$ 120).

(Redação - Agência IN)

Última modificação emSegunda, 21 Dezembro 2015 15:45