Investidores de olho na Europa

  •  
Investidores de olho na Europa (Foto:Divulgação) Investidores de olho na Europa

Nesta quinta-feira, 02, as principais bolsas de valores globais devem apresentar movimentos opostos, com investidores de olho na decisão de política monetária na zona do euro. Diante deste cenário, os índices europeus operam em campo positivo e as bolsas norte-americanas apresentam perdas.

Na Ásia, as bolsas encerraram o pregão de hoje em alta, com as ações chinesas alcançando o maior nível do último mês, impulsionadas pela valorização de papéis de empresas relacionadas a consumo. “A exceção ficou com o mercado japonês, que fechou em forte queda, após o primeiro ministro do país não detalhar em seu discurso quais serão as próximas medidas de estímulo à economia”, ressaltou Octavio de Barros, Diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco.

Enquanto isso, na Europa, as bolsas operam no campo positivo, interrompendo sequência de duas contrações consecutivas.

Entre os dados locais, o Índice de Preços ao Produtor Industrial (PPI, na sigla em inglês) nos 17 países que compõem a zona do euro recuou 0,3% em abril deste ano, ante o mês anterior, segundo informações divulgadas hoje pelo Escritório de Estatística da União Europeia, Eurostat.

Já nos Estados Unidos, os índices futuros norte-americanos apresentam perdas nesta manhã.

Aqui no Brasil, o Ibovespa deverá acompanhar o desempenho dos pares externos.

E abrindo a agenda de indicadores internos, o Índice de Preço ao Consumidor - Semanal (IPC-S) referente a semana de 22 a 31 de maio recuou em quatro das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). As cidades que permaneceram em campo positivo foram: São Paulo (de 0,56% para 0,64%) e Recife (de 0,67% para 0,68%).

Para finalizar, Barros destaca que a ausência de tendência clara no exterior também é refletida no movimento das moedas, com o iene, a libra e o euro em alta e o ringgit, o yuan e o peso mexicano em baixa. “No Brasil, o mercado aguarda os dados de produção industrial de abril, após a surpresa positiva com o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre”, disse. 

(Michele Rios – Agência IN)