Poupar ou gastar, eis a questão!

  •  
Poupar ou gastar, eis a questão! Foto: iStock Poupar ou gastar, eis a questão!

Os brasileiros têm se mostrado cada vez mais imediatistas e impacientes para se planejar financeiramente. Um levantamento divulgado nesta semana pelo DataFolha e publicado pela Folha de S. Paulo mostra que 65% da população não poupa para o futuro.

O mesmo estudo aponta ainda que, entre os que conseguem poupar, guardam no máximo 10% da renda. Ou seja, as pessoas estão mais vulneráveis a apelos do comércio para gastar no presente do que guardar dinheiro. Atendem apenas às demandas do presente e não dão tanta atenção à necessidade de estar preparado para uma emergência ou, ainda, programar a realização de sonhos como uma viagem, intercâmbio no exterior e até mesmo a velhice, com uma aposentadoria mais tranquila.

Para se ter uma ideia, na última edição da Black Friday – exemplo de data comercial em que são feitas compras incentivadas por liquidações que prometem até 90% de desconto, o faturamento do e-commerce foi de R$ 2,1 bilhões. O valor ficou 10,3% acima do resultado de 2016, segundo levantamento do E-bit, que realiza pesquisas online para analisar e entender o perfil e hábitos do consumidor final.

Segundo o professor Ricardo Brito, especializado em finanças e decisões de poupança, que coordenou um estudo a partir dos dados do DataFolha, o imediatismo é alto em todas as faixas da população, mas maior entre os menos escolarizados e menos riscos. 

Fazer compras sem pensar geralmente impactam em todo o orçamento, são as vilãs do cheque especial e do cartão de crédito. De acordo com o Banco Central, dois em cada 10 consumidores têm fatura maior do que poderiam pagar e os juros do rotativo chegam a quase 230% ao ano.

Para quem deseja economizar e não sabe como, Claudio Ferro, CEO do PoupaBrasil Investimentos, ensina a fazer um exercício de planejamento e contenção de gastos, especialmente durante as festas de fim de ano, quando o consumo é ainda mais alto. “O ideal é sempre fazer uma reflexão para se ter consciência da compra. Se questionar se essa aquisição é realmente necessária, especialmente naquele momento. Como vai pagar e se pode arcar com aquele gasto. Lembre-se sempre que caso a alternativa seja o pagamento no cartão de crédito é preciso verificar os juros praticados, pois poupar e pagar à vista é sempre o melhor negócio”, afirma o especialista.

(Redação - Investimentos e Notícias)