Especialista explica o que o mercado pode esperar após o impeachment

Com a aprovação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o povo brasileiro passa a vivenciar uma nova realidade: o desejo de um novo ciclo de crescimento do Brasil. Por conta da difícil situação vivenciada nos últimos anos, o público mantêm baixas às perspectivas de recuperação econômica em curto prazo. Porém, é possível avistar a famosa luz no fim do túnel. 

Dilma diz ser "estranhíssima" votação separada do impeachment

A ex-presidente Dilma Rousseff considerou "estranhíssima" a votação separada do impeachment ocorrida na última quarta-feira (31) no Senado, que a condenou a perda de mandato por crime de responsabilidade, mas manteve seus direitos políticos. Em entrevista a jornais estrangeiros, ela afirmou que, com o seu impeachment, foi condenada à "morte política" e disse ter a consciência de que a "democracia foi julgada" junto com ela.

 

Impeachment corroeu a aprovação dos principais nomes da cena política, aponta Ipsos

O processo de impeachment não poupou os principais nomes da cena política monitorados pela Ipsos e corroeu os índices de aprovação de praticamente todos, tanto dos que se opunham ao processo quanto de seus apoiadores. Os dados são do Barômetro Político da Ipsos, parte do estudo mensal Pulso Brasil. A edição mais recente da pesquisa foi realizada entre os dias 30 de julho e 9 de agosto, com 1.200 entrevistas presenciais em 72 cidades brasileiras.

PMDB subscreve pedido para que Dilma perca direito a exercer função pública

O PMDB decidiu apoiar e subscrever a ação que será protocolada hoje (2) pelos advogados do PSDB no Supremo Tribunal Federal pedindo que seja anulada a segunda parte do julgamento da presidente Dilma Rousseff. O mandado de segurança a ser impetrado argumenta que ao ser condenada pelo Senado e perder o mandato, Dilma também deve ficar automaticamente inabilitada para assumir funções públicas por oito anos.

Álvaro Dias questiona no STF votação separada do impeachment

O senador Álvaro Dias (PV-PR) entrou hoje (1º) com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a votação fatiada do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Na ação, o senador pede que Corte anule a votação que garantiu a Dilma habilitação para exercer cargos públicos.

Assinar este feed RSS