Bancos zeram tarifas para investimentos

A concorrência com corretoras independentes tem feito grandes bancos zerarem as taxas cobradas dos clientes para investimentos no Tesouro Direto. A última grande instituição a reduzir os juros para investir em Tesouro Direto, Renda Fixa e Previdência foi o Banco do Brasil, que fez o anúncio hoje (20).

Intenção de Investimentos da Indústria recua no 3T18

O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria da Fundação Getulio Vargas recuou 3,1 pontos no terceiro trimestre de 2018 em relação ao trimestre anterior, para 113,0 pontos, o menor nível desde o terceiro trimestre do ano passado (105,1 pontos). O indicador mede a disseminação do ímpeto de investimento entre as empresas industriais, colaborando para antecipar tendências econômicas.

  • Publicado em Economia

Indicador de investimentos tem queda de 1%

Os investimentos caíram em julho. O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) referente a julho, divulgado hoje (6) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), registrou queda de 1% na comparação com junho.

Os melhores investimentos para o segundo semestre

Você sabe como investir seu dinheiro? O Indicador de Reserva Financeira do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que cerca de 25% das pessoas que guardam dinheiro, em vez de aplicar, mantém a quantia dentro da própria casa, opção arriscada por questões de segurança e negativa do ponto de vista da rentabilidade, uma vez que o dinheiro fica parado sem render juros.

Receita da capitalização atinge R$ 10,3 bi no 1S18

O segmento de Títulos de Capitalização, representado pela FenaCap (Federação Nacional de Capitalização), registrou crescimento de 5,6% entre os meses de janeiro e junho, em comparação ao mesmo período de 2017, alcançando um faturamento global de R$ 10,3 bilhões. No mesmo período, o valor relativo aos resgates parciais e finais de clientes de títulos de capitalização atingiu R$ 8,6 bilhões, um recuo de 7,4% em relação ao primeiro semestre de 2017.

Títulos públicos de longo prazo têm alta na rentabilidade

Julho foi mês dos títulos públicos de longo prazo. A rentabilidade desses papéis teve uma significativa recuperação depois da queda influenciada pela greve dos caminhoneiros, de acordo com dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). O IMA-Geral (Índice de Mercado ANBIMA), que reflete os títulos públicos em mercado, teve o melhor desempenho dos últimos seis meses, com alta de 1,41% em julho e de 3,89% no ano.

Investimentos fecham 2º trimestre com queda de 0,9%

A capacidade produtiva das empresas teve forte reação em junho e recuperou grande parte da queda ocorrida em maio em razão da paralisação dos caminhoneiros, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Assinar este feed RSS