Confiança do consumidor avança em setembro

  •  
Destaque Confiança do Consumidor avança em setembro (Foto: Pexels) Confiança do Consumidor avança em setembro

Nesta segunda-feira, 23, a Fundação Getulio Vargas (FGV) anunciou que o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 0,5 ponto em setembro, para 89,7 pontos, o maior nível desde março (91,0 pontos). O resultado do mês é tímido, mas sucede uma alta de 1,1 ponto no mês anterior, produzindo uma discreta tendência ascendente no terceiro trimestre.

“A alta da confiança do consumidor em setembro foi influenciada pelo maior ímpeto em relação às compras nos próximos meses, tendência que parece estar diretamente relacionada ao início da liberação de recursos do FGTS. Apesar da melhora, o resultado mostra certa fragilidade com relação à continuidade dessa recuperação considerando a queda nos demais indicadores que integram o ICC e a volatilidade que vem apresentando o próprio indicador de compras nos últimos meses”, afirma Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens.

Em setembro, a satisfação em relação ao momento atual piorou enquanto as expectativas em relação aos próximos meses melhoraram, ao contrário do que aconteceu nos dois meses anteriores. O Índice de Situação Atual (ISA) recuou 1,3 ponto, para 77,4 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) avançou 1,5 ponto, para 98,7 pontos, se mantendo em patamar abaixo do nível neutro de 100 pontos pelo sexto mês consecutivo.

Entre os quesitos que compõem o ICC, o indicador que mede a intenção de compras de bens duráveis foi o que mais contribuiu para a alta da confiança em setembro após avançar 9,0 pontos, para 81,2 pontos, revertendo a maior parte da queda de 10,9 pontos registrada em agosto. Em sentido oposto, os indicadores que medem o otimismo do consumidor em relação à economia e à situação financeira familiar recuaram 2,2 pontos e 2,6 pontos, para 115,8 pontos e 99,4 pontos, respectivamente.

Nas avaliações dos consumidores sobre a situação atual, o indicador que mede o grau de satisfação com a economia variou -0,5 ponto, para 82,3 pontos, após três altas consecutivas, enquanto o indicador que mede a satisfação com a situação financeira familiar caiu 1,8 ponto, para 73,1 pontos, após acumular alta de 7,5 pontos entre junho e agosto desse ano.

Em setembro, a análise por faixas de renda mostra que houve aumento da confiança dos consumidores em todos os níveis exceto para as famílias com menor poder aquisitivo (renda familiar mensal até R$ 2.100), cuja confiança diminuiu 2,4 pontos, influenciada pela queda da satisfação com a situação financeira familiar no momento. Em contrapartida, para os consumidores com renda superior a R$ 9.600 houve aumento foi de 0,5 ponto, atingindo 92,8 pontos, o maior valor desde abril desse ano. A principal contribuição veio do aumento da intenção de compras de bens duráveis.

(Redação – Investimentos e Notícias)