IBGE prevê 240,9 mi de toneladas na safra de grãos

  •  
IBGE prevê 240,9 mi de toneladas na safra de grãos (Foto: Pexels) IBGE prevê 240,9 mi de toneladas na safra de grãos

Em novembro, o segundo prognóstico para a safra 2020 aponta um recorde de 240,9 milhões de toneladas, com crescimento de 33,6 mil toneladas (0,0%) em relação a 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As estimativas iniciais preveem uma redução de 7,5% na produção do milho (7,5 milhões de toneladas) e um crescimento de 6,7% na produção da soja (7,6 milhões de toneladas).

Entre os cinco produtos de maior peso na safra, são esperados três recuos na produção: milho 2ª safra (-9,8%), milho 1ª safra (-0,8%) e feijão 1ª safra (-0,3%). Já as variações positivas serão: algodão (2,0%), arroz (1,0%) e soja (6,7%). Com relação à área, as variações positivas são: algodão (6,4%), soja (1,8%), milho 1ª safra (0,5%) e milho 2ª safra (0,3%). Espera-se reduções de área no feijão 1ª safra (-0,3%) e no arroz (-2,1%).

Estimativa de novembro: safra 2019 deve crescer 6,4% em relação a 2018

Em novembro, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2019 alcançou 240,9 milhões de toneladas, novo recorde para a produção de grãos do país, 6,4% superior à obtida em 2018 (226,5 milhões de toneladas) e estável (0,0%) em relação à divulgada em outubro (mais 60,6 mil toneladas). Já a estimativa da área a ser colhida foi de 63,2 milhões de hectares, 3,7% maior que a de 2018 (mais 2,2 milhões de hectares) e 0,1% maior em relação a estimativa do mês anterior (mais 31,8 mil hectares). O recorde anterior foi da safra 2017, com 238,4 milhões de toneladas de grãos.

O arroz, o milho e a soja representam 92,9% da estimativa da produção e respondem por 87,0% da área a ser colhida. Em relação a 2018, houve aumento de 7,0% na área do milho, de 2,6% na da soja, de 41,7% na de algodão, e queda de 9,5% na área de arroz. Já na produção, ocorreram quedas de 4,0% para a soja e de 12,0% para o arroz, e aumento de 23,2% para o milho e de 39,8% para o algodão.

(Redação – Investimentos e Notícias)