Para ACSP, Copom teve cautela diante de turbulência internacional e incerteza política no Brasil

  •  
Para ACSP, Copom teve cautela diante de turbulência internacional e incerteza política no Brasil Foto: Divulgação Para ACSP, Copom teve cautela diante de turbulência internacional e incerteza política no Brasil

Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), comenta que a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), de não alterar a taxa básica de juros (Selic), resultou de cautela diante dos panoramas interno e externo.

“Lamentamos o fato de o Banco Central não reduzir a taxa Selic. A atitude cautelosa pode ter sido motivada, entre outros fatores, pelas turbulências no cenário internacional e pelas incertezas futuras do quadro político brasileiro”, avalia Burti.

O presidente da ACSP lembra que a atual taxa básica de juros continua a menor desde a implantação do Plano Real. “Isso é bom para o Brasil. De qualquer forma, esperamos que o Banco Central, o governo e o Congresso agilizem medidas para repassar as quedas dos juros para as empresas e os consumidores. Entre elas estão a diminuição do recolhimento compulsório dos bancos e a implantação efetiva do cadastro positivo”, recomenda o presidente da ACSP.

(Redação - Investimentos e Notícias)