Produção de motocicletas ultrapassa 1 milhão de unidades

  •  
Produção de motocicletas ultrapassa 1 milhão de unidades Foto: Divulgação

Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares - Abraciclo, as fabricantes de motocicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) totalizaram a produção de 1.038.696 unidades em 2019, volume 7,2% superior às 968.976 unidades fabricadas no mesmo período de 2018.

A entidade prevê a fabricação de 1.105.000 unidades até o fim deste ano, o que corresponde a uma alta de 6,6% na comparação com o volume alcançado em 2018 (1.036.788 unidades).

Somente em novembro, saíram das linhas de montagem do Polo de Industrial de Manaus 93.128 motocicletas, correspondendo a uma alta de 3,4% em relação ao mesmo mês do ano passado (90.108 unidades). No entanto, na comparação com outubro deste ano (109.118 unidades), houve queda de 14,7%.

Em relação às vendas no atacado, de janeiro a novembro, as vendas das fabricantes para as concessionárias totalizaram 1.012.967 unidades, significando um crescimento de 13,7% ante as 890.737 unidades registradas no mesmo período de 2018.

Apenas em novembro, as vendas no atacado somaram 94.358 unidades, correspondendo a um aumento de 8,3% em relação ao mesmo mês de 2018 (87.136 unidades), mas com recuo de 8% na comparação com outubro do presente ano (102.545 unidades).

A categoria mais vendida foi a Street, com 503.138 unidades e 49,7% de participação até novembro. Na sequência, vieram Trail (201.600 unidades e 19,9% de participação), Motoneta (151.983 e 15%), Scooter (88.868 e 8,8%) e Naked (23.379 e 2,3%). Em relação às scooters, no mesmo período do ano passado as vendas tinham chegado a 62.070 unidades, com 7% de participação sobre o total.

Além disso, as posições foram mantidas no ranking específico de novembro: Street (44.560 unidades e 47,2% de participação), Trail (20.051 e 21,2%), Motoneta (13.203 e 14%), Scooter (9.964 e 10,6%) e Naked (2.281 e 2,4%).

Sobre os emplacamentos, no acumulado do ano foram licenciadas 983.148 motocicletas, volume 14,8% superior ante as 856.045 unidades registradas no mesmo período de 2018.

Só em novembro, os licenciamentos somaram 88.384 unidades, alta de 15,1% em relação ao mesmo mês, mas com redução de 10,1% na comparação com outubro de 2019 (98.338 unidades).

Ainda de acordo com os dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) analisados pela Abraciclo, em novembro, foram comercializadas 4.419 motocicletas por dia útil no mercado nacional.

Já as exportações atingiram 35.560 unidades, correspondendo a uma queda de 45,3% ante as 65.062 unidades embarcadas no mesmo período de 2018, ou seja, até novembro. De acordo com dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os volumes de embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, a Argentina é o país que recebe mais motocicletas produzidas no PIM, com 16.974 unidades e 47% de participação. Em segundo lugar, ficaram os Estados Unidos (6.802 unidades e 18,9%), seguidos pela Colômbia (5.208 unidades e 14,4%).

Somente em novembro, foram exportadas 3.276 motocicletas, representando uma queda de 8,3% na comparação com o mesmo mês de 2018 (3.571 unidades) e um aumento de 4,1% em relação a outubro do presente ano (3.148 unidades). No ranking mensal, a Argentina mantém o posto de principal parceiro comercial com 1.246 unidades recebidas e 39,7% de participação. A Colômbia ficou em segundo lugar (743 unidades e 23,7%) e os Estados Unidos em terceiro (514 unidades e 16,4%).

A Abraciclo prevê aumento nas vendas para o atacado e varejo de 11,8% até o fechamento de 2019. Em relação às exportações, o novo levantamento estima embarque de 34.000 motocicletas, volume 40,5% inferior ante as 57.131 unidades registradas em 2018.

Já sobre as projeções da Abraciclo para a produção em 2020 será que o setor deverá alcançar 1.175.000 motocicletas, o que representará uma alta de 6,3% ante as 1.105.000 unidades projetadas para o presente ano.

As exportações deverão continuar em queda. Os embarques deverão somar 28.000 unidades, com uma queda de 17,6% na comparação com as 34.000 unidades esperadas para o presente ano.

(Redação - Investimentos e Notícias)