Semana do Brasil deverá impactar no resultado do IPCA do próximo mês

  •  
Semana do Brasil deverá impactar no resultado do IPCA do próximo mês (Foto: Pexels) Semana do Brasil deverá impactar no resultado do IPCA do próximo mês

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta sexta-feira, 06, que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto variou 0,11%, ficando 0,08 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa de julho (0,19%). 

O resultado veio dentro da expectativa majoritária do mercado. Três dos nove grupos avaliados nesta pesquisa tiveram deflação, ou seja, decrescimento dos preços. Os responsáveis foram o grupo de contas “Alimentação e Bebidas” (-0,35%), “Transportes” (-0,39%) e “Saúde e Cuidados Pessoais” com queda de 0,03%”, disse Lucas Carvalho, analista de investimentos da Toro Investimentos.

De acordo com o analista, a inflação (IPCA) segue apresentando níveis baixos, com grande folga ante a meta inflacionária fixada pelo Banco Central. “No acumulado de 12 meses, o IPCA variou 3,43%, bem abaixo da meta de 4,25%. Neste sentido, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM) poderá ter espaço para cortar ainda mais a taxa de juros básica (Taxa Selic) a fim de estimular a economia. A previsão do mercado financeiro é de SELIC convergindo para 5% a.a. para o fim de 2019”, ressaltou Carvalho.

Para Lucas Carvalho, ao longo dos últimos anos, o IPCA do mês de setembro apresenta comportamento mais elevado que o mês de agosto. “Como catalisador do crescimento dos preços deste mês, temos a Semana do Brasil, iniciativa do Governo Federal que visa promover descontos em lojas físicas e virtuais. Tal estímulo pode impactar na inflação do referido mês”, finalizou.

Vale destacar que entre as regiões, as maiores variações foram em Fortaleza e São Paulo, ambas com 0,33%. Esses dois resultados foram influenciados pela alta do item energia elétrica (9,01% em Fortaleza e 5,06% em São Paulo). O menor índice foi na região metropolitana de Vitória (-0,50%), também por conta da energia elétrica (-8,64%), em função da redução de 6,48% no valor das tarifas, vigente desde 7 de agosto.

(Redação – Investimentos e Notícias)