Inadimplência do consumidor avançou 3,5% nos últimos 12 meses, revela Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor obteve alta de 3,5% no acumulado em 12 meses até abril (acumulado entre maio de 2015 e abril de 2016 contra os 12 meses antecedentes) de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. No acumulado do ano a elevação foi de 4,3% quando comparado ao mesmo período em 2015. Na avaliação contra o mesmo mês do ano anterior houve queda de 0,1%, enquanto na série com ajuste sazonal a inadimplência recuou 0,2% na comparação com o mês anterior.

Cuidados para não se endividar no Dia das Mães

Algumas datas comemorativas carregam consigo o costume de dar e receber presentes. Uma delas é o Dia das Mães - segunda maior movimentação do comércio, perdendo apenas para o Natal. Contudo, é preciso atentar-se para não gastar além daspossibilidades. “Em tempos de recessão econômica, as lojas estão oferecendo diversas facilidades. Porém, ter cautela é importante para não cair em armadilhas”, orienta Satoshi Fukuura, CEO da Siscom -um dos principais players de recuperação de crédito do país.

Consumidor paranaense parou de se endividar

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), elaborada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio PR), o percentual de endividados no Paraná vem apresentando baixa desde dezembro de 2015. Em março, 84,4% dos paranaenses possuíam algum tipo de dívida, redução de 1,28% na comparação com fevereiro (85,5%).

Consumidor de menor poder aquisitivo é o mais impactado pela crise

O índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) no Paraná está cada vez mais baixo. O indicador, aferido mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), caiu 2,6% em março na comparação com fevereiro e ficou em 88,3 pontos. Na análise anual, a queda é de 25,5% em relação a março de 2015, quando marcava 118,5 pontos. Apesar de estar acima da média nacional (77,5 pontos), a ICF abaixo de 100 pontos indica uma propensão negativa do consumidor.

Consumidor deve ficar atendo aos boletos bancários

"Todo cuidado é pouco na hora de pagar o boleto bancário", revela Cristiano Diehl Xavier, especialista tributário e sócio do Xavier Advogados. A afirmação vem ao encontro de um novo golpe que está causando prejuízo aos consumidores. "É preciso analisar todas as informações que constam no documento, seja ele online ou impresso. Além do valor a ser pago, as pessoas têm que analisar se o número do código de barra corresponde ao da parte de cima da fatura, por exemplo".

Paulistanos pedem fim dos descontos aos grandes consumidores, diz pesquisa

Está desenhado como as rachaduras das represas do Sistema Cantareira: a população de São Paulo considera o governador Geraldo Alckmin o principal responsável pela crise hídrica que atinge todo o Estado. Mais: os paulistanos pedem, em sua grande maioria, o fim dos descontos previstos nos contratos de demanda firme estabelecidos entre a Sabesp e 537 grandes consumidores de água. Este é um passo fundamental para que a gestão da crise passe a priorizar o abastecimento público.

Consumidor tem direito a desconto em taxas de registro do 1º imóvel

Quem adquire a casa própria, além das despesas da compra em si, ainda tem de arcar com taxas de cartório para registro do imóvel. Mas o que muitos podem desconhecer é que a legislação prevê descontos na aquisição do primeiro imóvel no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH). O abatimento está garantido no artigo 290 da Lei de Registros Públicos (Lei Federal nº 6.015/73). No entanto, o que deveria ser regra, tornou-se exceção, como alerta a Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH).


Inadimplência do consumidor cresce 1,8% em abril

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor apontou crescimento de 1,8% em abril de 2015, na comparação com o mês anterior. Isto significa que o índice voltou a subir de forma mais acelerada depois de ter registrado queda em fevereiro (-0,9%) e uma leve alta em março deste ano (0,2%). No primeiro quadrimestre do ano, o indicador também subiu 14,9%, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Na relação interanual – abril de 2015 x abril de 2014 – o indicador cresceu 12,2%.

Assinar este feed RSS