CNC prevê queda de 8% nos serviços em 2020 e projeta crescimento em 2021

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aumentou de 7,6% para 8% a projeção de recuo no volume de receitas dos serviços em 2020, em função do ritmo lento de reação do setor. Confirmada a previsão, este será o pior resultado anual da série histórica da PMS, iniciada em 2012. A estimativa tem como base os dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) de novembro, divulgada nesta quarta-feira (13/1) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Diante da expectativa de crescimento econômico este ano e de uma base comparativa, a CNC prevê que os serviços voltem a crescer em 2021 (+3,7%).

  • Publicado em Economia

Volume dos serviços avança 2,6% em novembro, mostra IBGE

Em novembro de 2020, o volume de serviços no Brasil cresceu 2,6% frente a outubro, na série com ajuste sazonal, sexta taxa positiva seguida, gerando um ganho acumulado de 19,2%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na série sem ajuste sazonal, no confronto com novembro de 2019, o volume de serviços recuou 4,8% em novembro de 2020, nona taxa negativa seguida. No acumulado do ano, o volume de serviços caiu 8,3% frente a igual período de 2019. O acumulado nos últimos doze meses (7,4%) manteve a trajetória descendente iniciada em janeiro (1,0%) e apontou o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica, iniciada para esse índice, em dezembro de 2012.

  • Publicado em Economia

Volume de serviços aumentou em outubro, mostra IBGE

Em outubro de 2020, o volume de serviços no Brasil avançou 1,7% frente a setembro, na série com ajuste sazonal, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a quinta taxa positiva seguida, acumulando alta de 15,8% no período. Esse resultado sucedeu uma sequência de quatro taxas negativas, entre fevereiro e maio, com perda acumulada de 19,8%.

  • Publicado em Economia

Índice de confiança de serviços recua em novembro

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getulio Vargas, recuou 2,1 pontos em novembro, para 85,4 pontos, registrando a segunda queda consecutiva. Em médias móveis trimestrais, o índice se manteve praticamente estável variando 0,1 ponto.

  • Publicado em Economia

Volume de serviços cresce em setembro, mostra IBGE

Em setembro de 2020, o volume de serviços no Brasil avançou 1,8% frente a agosto, na série com ajuste sazonal, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a quarta taxa positiva seguida, acumulando alta de 13,4% no período. Esse resultado sucedeu uma sequência de quatro taxas negativas, entre fevereiro e maio, com perda acumulada de 19,8%.

  • Publicado em Economia

Índice de confiança de serviços recua em outubro

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getulio Vargas, recuou 0,4 ponto em outubro, para 87,5 pontos, após cinco meses de altas consecutivas. Em médias móveis trimestrais, o índice apresenta alta de 2,8 pontos.

  • Publicado em Economia

Volume de serviços cresce em agosto, mostra IBGE

Em agosto de 2020, o volume de serviços no Brasil avançou 2,9% frente a julho, na série com ajuste sazonal, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a terceira taxa positiva seguida, acumulando alta de 11,2%, no período. Esse resultado sucedeu uma sequência de quatro taxas negativas, entre fevereiro e maio, com perda acumulada de 19,8%.

  • Publicado em Economia

Atividades de serviços voltam a crescer no Brasil

Pela primeira vez desde o início da pandemia do coronavírus de 2019 (COVID-19), a atividade do setor de serviços no Brasil expandiu em setembro. Dados do Instituto Markit Economics também mostraram outro aumento no otimismo em relação a novos trabalhos e negócios sustentados entre os participantes da pesquisa. Pressões inflacionárias de custos intensificados, amplamente vinculadas à compra de materiais de higiene e equipamentos de proteção individual (EPI), resultaram em mais reduções de pessoal à medida que as empresas tentaram minimizar suas despesas. O poder de fixação de preços permaneceu moderado, com empresas privando-se de elevar suas taxas em meio a esforços para estimular a demanda.

Assinar este feed RSS