Setor de serviços do Brasil ganha impulso em setembro

O crescimento econômico no setor de serviços do Brasil ganhou impulso em setembro, ajudado pela melhoria da demanda, segundo dados do Markit Economics. O conjunto de dados mais recente do PMI destacou crescimentos mais fortes nos fluxos de pedidos, na atividade de negócios e no nível de empregos. De um modo menos otimista, a inflação de custo dos insumos se acelerou, ao mesmo tempo em que houve uma ligeira queda no grau de sentimento e um declínio adicional em novos pedidos para exportação.

Setor de serviços cresce 0,8% em julho

No mês de julho, o setor de serviços cresceu 0,8% em relação a junho (série com ajuste), recuperando-se, portanto, do recuo observado em junho (-0,7%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

  • Publicado em Economia

Atividade de serviços cresce em agosto

O setor de serviços do Brasil permaneceu em expansão em agosto, com uma recuperação acentuada e acelerada no volume de novos trabalhos sustentando um crescimento adicional da atividade comercial, segundo dados do Instituto Markit Economics. O fortalecimento da demanda estimulou as empresas a contratar funcionários adicionais na metade do terceiro trimestre, com o crescimento no nível de empregos sendo apenas o segundo nos últimos dez meses. Os dados mais recentes também mostraram crescimentos mais rápidos tanto nos custos de insumos quanto nos preços cobrados, já o otimismo em relação aos negócios diminuiu em comparação com a alta recente observada em julho.

  • Publicado em Economia

Empresários voltaram a ficar cautelosos em agosto

Nesta quarta-feira, 28, a Fundação Getulio Vargas (FGV) anunciou que o Índice de Confiança de Serviços (ICS) caiu 1,1 ponto em agosto, para 92,3 pontos, após ter registrado duas altas seguidas. Em médias móveis trimestrais, o índice ainda se mantém em alta de 1,1 ponto.

Setor de serviços recua em junho

O volume de serviços no Brasil recuou 1,0% em junho de 2019, na comparação com o mês anterior (série com ajuste sazonal), eliminando, portanto, o ganho acumulado de 0,5% observado entre abril e maio, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a junho de 2018 (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços caiu 3,6%. O acumulado do ano cresceu 0,6%, com ligeira perda de dinamismo frente ao segundo semestre de 2018 (0,8%). Já o acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 1,1% em maio para 0,7% em junho de 2019, voltou a assinalar perda de ritmo de crescimento.

Setor de serviços fica estável em maio

O volume de serviços no Brasil ficou estável (0,0%) em maio de 2019, na comparação com o mês anterior (série com ajuste sazonal), após ter avançado 0,5% em abril, quando interrompeu três taxas negativas seguidas (perda acumulada de 1,6%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a maio de 2018 (série sem ajuste), o volume de serviços avançou 4,8%, taxa mais elevada desde fevereiro de 2014 (7,0%).

Setor de serviços avança 0,3% no mês de abril

Em abril, o setor de serviços no Brasil mostrou variação positiva de 0,3% frente ao mês anterior (série com ajuste sazonal), após acumular perda de 1,8% nos três primeiros meses do ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a abril de 2018 (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços recuou 0,7%, segunda taxa negativa seguida neste tipo de comparação. O acumulado do ano cresceu 0,6%. Já o acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 0,6% em março para 0,4% em abril de 2019, prosseguiu assinalando redução no ritmo de crescimento observada desde fevereiro deste ano (0,7%).

Confiança de Serviços recua em maio

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) caiu 3,1 pontos em maio, para 89,0 pontos, voltando ao nível de maio de 2018 (89,0 pontos), segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). No acumulando dos últimos quatro meses houve perda de 9,2 pontos, devolvendo a alta de 9,3 pontos entre outubro e janeiro. Em médias móveis trimestrais, o índice recuou pela terceira vez consecutiva, desta vez em 2,5 pontos.

Assinar este feed RSS