Classe ações registra a maior captação anual da indústria de fundos

  •  
Classe ações registra a maior captação anual da indústria de fundos Foto: Divulgação

Segundo dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), a indústria de fundos de investimento encerrou 2019 com captação líquida de R$ 191,6 bilhões, mais que o dobro do registrado no ano de 2018 (R$ 95,4 bilhões).

De acordo com a instituição, o destaque ficou com os fundos de ações, que levantaram R$ 16,9 bilhões em dezembro e R$ 86,2 bilhões no ano, o que significa uma alta de 195% em relação a 2018.

Somente os fundos de ações tipo livre (aqueles que podem utilizar diversas estratégias de gestão) foram responsáveis pela entrada de R$ 7,4 bilhões, em dezembro, e R$ 45,4 bilhões, em 2019, sendo eles os que contam com o maior patrimônio líquido da classe.

Os multimercados foram o segundo melhor resultado no ano. Após registrarem entrada líquida de R$ 7,7 bilhões, em dezembro, acumularam captação líquida de R$ 66,8 bilhões em 2019, ou seja, alta de 37,3% em relação a 2018.

Os tipos livre (podem adotar diversas estratégias de gestão) e investimento no exterior (aplicam mais de 40% em ativos estrangeiros) se destacaram, com entradas de R$ 3,9 bilhões e R$ 2,7 bilhões, no mês, respectivamente; e R$ 30,1 bilhões e R$ 25,7 bilhões, no ano, nesta ordem.

O mesmo movimento que foi positivo para os multimercados e ações acabou sendo negativo para a classe renda fixa, sobretudo pela sua maior exposição a ativos indexados às taxas de juros de curto prazo.

Em 2019, pelo segundo ano consecutivo, essa classe registrou saída líquida de R$ 69,3 bilhões, o pior resultado desde 2008 - somente em dezembro, foi registrado resgate líquido de R$ 70,3 bilhões.

Em relação às rentabilidades da indústria, os tipos que compõem a classe ações foram destaque, quase todos (nove entre os 12) renderam acima do Ibovespa (31,58%) no ano. Os fundos small caps (ações de empresas com baixa capitalização no mercado) e valor/crescimento (investimento em empresas consideradas subavaliadas no mercado e com potencial de crescimento) apresentaram os maiores ganhos no ano anterior, 51,98% e 45,76%, respectivamente. Nos multimercados, os tipos long e short direcional (operações com posições compradas e vendidas) e livre encerram o ano com variação de 14,19% e 12,22%, respectivamente.

(Redação - Investimentos e Notícias)