Investimentos de até R$ 1 mil no Tesouro Direto atingem recorde

  •  
Total de investidores ativos cresce 1,87% ante julho; programa ganha site novo, com foco no investidor iniciante Foto: Divulgação Total de investidores ativos cresce 1,87% ante julho; programa ganha site novo, com foco no investidor iniciante

O Tesouro Direto registrou em agosto um total de investidores ativos que chegou a marca de 1.130.058 pessoas. Segundo os dados do Ministério da Economia, só no mês passado, mais de 20 mil investidores tornaram-se ativos, ou seja, passaram a ser investidores com saldo em aplicações no programa. Isso representa um crescimento de 1,87% em relação ao mês de julho.

Em relação ao número de investidores cadastrados no programa, a margem cresceu para 224.395, cerca de 4,90% na comparação com o mês anterior, atingindo a marca de 4.803.310 pessoas.

Operações de investimento

De acordo com os dados divulgados, as operações realizadas para investimento em títulos do Tesouro Direto atingiram a marca de 446.046 em agosto, chegando ao valor total de R$ 1,98 bilhão.

Durante esse mês, houve resgate líquido de R$ 126,39 milhões, sendo resgates de R$ 2,10 bilhões, R$ 1,95 bilhão em recompras e R$ 149,31 milhões em vencimentos.

Esse resultado indica que o pequeno investidor continua ampliando a sua participação no programa. Inclusive, as aplicações de até R$ 1 mil representaram 67,46% das operações de investimento no mês.

Segundo o governo, esses números superaram o recorde registrado em março de 2019 (65,05%) tornando-se o maior percentual já registrado na série histórica.

Já o valor médio por operação foi o menor da série histórica, com R$ 4.428,02. "Esses resultados mostram a continuidade do processo de democratização do programa, com o maior acesso do pequeno investidor", aponta o Ministério da Economia.

Os títulos indexados ao Tesouro Selic foram os mais demandados pelos investidores, totalizando R$ 986,74 milhões, sendo 49,96% das vendas. Os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) registraram um volume em vendas de R$ 619,75 milhões, 31,38% do total.

Enquanto isso, os títulos de prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais) somaram R$ 368,61 milhões em vendas, sendo 18,66% do total.

No sistema de recompras, os títulos indexados à taxa Selic foram os que mais predominaram no mês, somando R$ 1,07 bilhão (54,81%). Já os títulos remunerados pelo Tesouro IPCA+, Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais e Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais ficaram na casa dos R$ 617,78 milhões, o que representa 31,64%, os prefixados, R$ 264,51 milhões (13,55%).

Em relação ao prazo, a maior parcela de vendas ficou para os títulos com vencimento entre 5 e 10 anos, que alcançaram 67,87% do total. Logo após, os títulos com vencimento acima de 10 anos representaram 19,29%, seguidos das aplicações com vencimento de 1 a 5 anos, que corresponderam a 12,84% do total.

Estoques

O estoque do programa fechou agosto de 2019 com R$ 58,13 bilhões, o que representa um crescimento de 0,56% em relação ao mês anterior, que atingiu R$ 57,81 bilhões. Além disso, os títulos que se mantêm como os mais representativos do estoque são os títulos remunerados por índices de preços, somando R$ 27,88 bilhões, ou 47,95% do total.

Em seguida, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, R$ 20,03 bilhões (34,45%), e os títulos prefixados, que somaram R$ 10,23 bilhões, 17,60% do total.

Sobre os vencimentos dos títulos em estoque, a parcela em até 1 ano fechou o mês em R$ 2,15 bilhões, ou 3,70% do total. Já a parcela do estoque vincendo de 1 a 5 anos foi de R$ 29,79 bilhões (51,24%), quanto o percentual acima de 5 anos somou R$ 26,19 bilhões (45,06%).

(Redação - Investimentos e Notícias)