O que é CDB e CDI? Entenda a diferença entre eles

  •  
O que é CDB e CDI? Entenda a diferença entre eles Foto: divulgação

CDB e CDI são termos muito encontrados por pessoas que conhecem ou estão começando a entrar no mercado financeiro. Apesar de soarem parecidos, são conceitos diferentes e o não entendimento pode complicar a vida de investidores.

O Certificado de Depósito Bancário, ou simplesmente CDB, é um dos principais títulos privados de renda fixa encontrados no mercado de investimentos brasileiro.

Esse título funciona como uma espécie de empréstimo entre investidores e bancos. Só que a dinâmica é diferente, pois os bancos é que pegam dinheiro emprestado para poder financiar parte de suas atividades.

Ao final do período estipulado, as instituições bancárias devolvem o dinheiro aplicado para o investidor, somando os juros acordados no momento da aquisição do título.  

As vantagens deste tipo de investimento estão, cada vez mais, atraindo a atenção de pessoas que querem aplicar dinheiro para além da poupança. Em julho de 2018, o volume de estoque de títulos de CDB bateu novo recorde, alcançando a marca de R$815,5 bilhões. Este volume não era alcançado desde 2009. E a expectativa de especialistas é que a procura por esta modalidade de renda fixa continue crescendo em 2019.

É importante destacar que esses títulos são opções muito seguras de investimentos. Existe um órgão responsável por assegurar que todos os títulos de CDB sejam protegidos, até determinado valor. Isso quer dizer que os investidores não correm risco de “emprestarem” dinheiro para um banco, ele quebrar e perder o dinheiro.

O Fundo Garantidor de Créditos (FGC) é um órgão que não tem fins lucrativos e que está preparado para restituir o valor aplicado, até R$250 mil por CPF e instituição, e no limite de R$1 milhão a cada 4 anos, caso aconteça algum problema com a instituição financeira.

Em contrapartida, o Certificado de Depósito Interbancário (CDI), apesar de também ser um título emitido por uma instituição financeira, não podem ser comercializado no mercado comum, entre investidores. A negociação é realizada, exclusivamente, entre as próprias instituições bancárias, no ambiente que é conhecido como mercado interbancário.

Se por um lado o CDB é a forma de investidores emprestarem dinheiro para bancos, por outro, o CDI é a forma de bancos emprestarem dinheiro para outros bancos, isso é fundamental para garantir a fluidez de todo sistema financeiro do setor bancário.

Apesar de não ser possível investir em CDI, esses certificados são fundamentais para o mercado financeiro, afinal, alguns investimentos apresentam a rentabilidade baseada na taxa DI.  

Diariamente, a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Privados (Cetip) calcula qual foi a média de juros aplicados nas operações de CDI, para definir qual é a taxa DI.

Para quem tem interesse em investir em CDB, é preciso ter ciência que existem diversas modalidades desses investimentos que são comercializadas no mercado financeiro. Os títulos variam de acordo com o prazo do investimento, a rentabilidade e, principalmente, a instituição fornecedora.

Especialistas indicam que CDBs emitidos por instituições financeiras menores, costumam oferecer taxas melhores do que os títulos de grandes bancos. Além disso, normalmente, quanto maior for o prazo, maior será o retorno sobre o investimento realizado.

Outro fato que deve ser conhecido por quem deseja investir em CDB é a incidência do Imposto Renda. O Imposto de Renda desse investimento deve ser calculado de acordo com a  alíquota regressiva. Assim, quanto mais tempo o dinheiro permanecer aplicado, menor será a porcentagem cobrada de IR.

Mesmo com a aplicação do Imposto de Renda, os títulos de CDB apresentam rendimentos melhores que outras aplicações financeiras, principalmente quando comparado com a poupança.

A outra vantagem deste investimento é a possibilidade de ser usado como margem de garantia para realizar transações na Bolsa de Valores. Dessa forma, o CDB pode ser a porta de entrada para investidores conseguirem rendimentos mais expressivos.