Títulos públicos de longo prazo apresentam queda em março

As rentabilidades dos títulos públicos de longo prazo caíram mais uma vez em março. O IRFM-1+, índice que espelha uma carteira de NTN-Fs e LTNs com vencimentos acima de um ano, desvalorizou 1,45% no mês, acumulando perda de 4,77% em 2021. Em seguida, o IMA-B5+, que reflete as NTN-Bs com mais de cinco anos de vencimento, recuou 1,17% em março, intensificando sua perda no ano para 5,10%.

Títulos públicos têm ajuste nos preços após alta na Selic

O aumento da Selic de 2% para 2,75%, anunciado ontem pelo Copom (Comitê de Política Monetária, do Banco Central), provocou na manhã de hoje ajustes nos preços dos títulos públicos. As taxas dos papéis prefixados e dos indexados ao IPCA se elevaram, o que corresponde a queda nas suas rentabilidades. O movimento foi acompanhado pelos indicadores do IMA (Índice de Mercado ANBIMA, da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Títulos públicos de longo prazo têm rentabilidade negativa

As expectativas de longo prazo dos investidores foram afetadas pelo segundo mês consecutivo. O movimento foi registrado pelos índices da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) que acompanham esses papéis: em fevereiro, o IMA-B5+, que reúne títulos indexados ao IPCA com vencimentos maiores do que cinco anos, recuou 2,33%, o que representa uma perda acumulada de 3,97% em 2021.

 

Títulos públicos com vencimentos longos apresentam queda em janeiro

Os títulos públicos registraram no mês de janeiro desvalorização média de 0,24%, de acordo com o IMA-Geral (Índice de Mercado ANBIMA, da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). O resultado foi puxado pelos papéis com prazos mais longos, conforme mostram os resultados do IMA-B5+, que acompanha as NTN-Bs com vencimentos acima de cinco anos: no mês, o índice teve perda de 1,69%. O IRF-M1+, que representa as carteiras de títulos pré-fixados com prazos maiores do que um ano, também teve redução de 1,4% no período.

Alta da inflação reduz retorno dos títulos prefixados em mercado, diz ANBIMA

O resultado do IPCA-15 em outubro (0,94%) teve impacto sobre os títulos públicos em mercado, especialmente nos papéis prefixados. No período entre o anúncio da taxa de inflação, no dia 23, e o fim do mês, o IRFM-1+ apresentou perda de 0,58%. O índice calculado pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) retrata uma carteira com títulos prefixados com mais de um ano de vencimento e teve queda de 0,61% em outubro, reduzindo o retorno no acumulado do ano para 4,76%.

 

Títulos públicos apresentam maior rentabilidade mensal de 2020

O IMA, índice que representa o desempenho dos títulos públicos federais, apresentou rentabilidade de 1,02% em maio, o maior resultado mensal em 2020, de acordo com a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). A alta reverteu as perdas acumuladas e fez com que o índice registrasse variação positiva de 0,88% no ano.

Assinar este feed RSS