Brasil recebe investimentos significativos da ClickSoftware

  •  
Brasil recebe investimentos significativos da ClickSoftware Divulgação Brasil recebe investimentos significativos da ClickSoftware

O mercado brasileiro, no que se refere a prospecções de soluções para a melhora na qualidade da força de trabalho móvel das indústrias situadas no setor de serviços, vai sofrer uma alteração positiva. Uma das razões para que esse fator se tornasse possível se refere a investimentos que a empresa americana ClickSoftware vêm fazendo no país, perspectivando aumentar a receita, a qual deve ser de 5% a 10% na América Latina para todo o continente americano, já em 2014.

O foco da companhia são as organizações do segmento de serviços e que possuem equipes grandes que atuam em campo. Entretanto, as empresas de seguro, petróleo e gás e bens de capital também fazem parte do hall que contemplam o mercado o qual a companhia americana visa atingir.

As regiões de estratégia que já estão passando por esse processo são: África do Sul, Rússia e Brasil. Para o ano de 2015, a expectativa é que o crescimento atinja a escala dos 20%. De acordo com Stephen Timms, Presidente de Vendas para as Américas da ClickSoftware Technologies, e que esteve na última semana no Brasil, em nenhum dos países da África do Sul ou na França houve uma receita tão voluptuosa num intervalo de tempo tão curto quanto no nosso país. A empresa vislumbra um grande potencial para toda a América Latina, mais especificamente, visualiza as melhores projeções para o Brasil.

Stephen Timms

“Neste primeiro ano, fechamos dois ou três grandes contratos e qualificamos muitos prospects. Posso dizer que a qualidade dos negócios em que estamos envolvidos é excelente e não tenho dúvidas de que teremos muito sucesso no Brasil e América Latina”, reitera Timm.

O Presidente ressalta que, só em São Paulo, já está situado um escritório há menos de um ano, onde os investimentos feitos ultrapassam a escala dos milhões de dólares. “Planejamos por três anos os investimentos nesta subsidiária. Vimos o quanto as empresas estavam investindo no Brasil e avaliamos que o país, em nosso ponto de vista, já estava maduro para adotar o Work Force Management”, completa Timms.

(Redação – Agência IN)