Ceia de Natal acumula queda de 7,68% em 2017

  •  
Ceia de Natal acumula queda de 7,68% em 2017 (Foto: Divulgação) Ceia de Natal acumula queda de 7,68% em 2017

O brasileiro poderá ter uma ceia de Natal mais caprichada em 2017. A cesta de produtos natalinos ficou 7,68% mais barata do que em 2016. O levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que a inflação dos itens que complementam a ceia ficou abaixo da inflação média registrada pelo IPC-10/FGV, no período de janeiro a dezembro de 2017, que foi de 3,24%.

Entre os itens que apresentaram maior queda de preço, segundo o economista do FGV IBRE e coordenador do IPC do FGV IBRE, André Braz, estão as frutas (-13,86%) e a farinha de trigo (-12,83%). O bacalhau, um dos principais pratos do Natal, registrou deflação de 12,31% e não deve salgar a conta do consumidor. Já os itens que apresentaram variação maior que a inflação média estão: lombo suíno (6,58%), cebola (5,60%) e vinho (5,11%).

"Em 2017, o clima favoreceu a agricultura. Com o aumento da oferta de alimentos os preços recuaram e devolveram parte do aumento registrado em 2016. Desse modo, frutas, arroz e farinha de trigo registraram queda expressiva", explicou Braz, responsável pela pesquisa.

Presentes

Com a ceia garantida, vai sobrar mais dinheiro para comprar os presentes, que registraram aumento médio de apenas 0,67% e também devem aliviar o bolso do brasileiro. Na lista de 19 produtos monitorados pelo FGV IBRE, aqueles cujos preços mais recuaram foram: aparelho telefônico celular (-6,57%), forno elétrico e de micro-ondas (-4,16%) e aparelho de TV (-2,77%). Em contrapartida, bijuterias (7,07%), calçados infantis (5,67%) e jogos para recreação (4,49%) subiram mais que a inflação.

Mas o economista alerta que, mesmo com os preços de alguns produtos mais baixos, o melhor é evitar se endividar. "Ainda estamos com a economia muito desaquecida. O desemprego elevado reduziu muito o orçamento familiar. Aqueles que acumularam recursos ao longo do tempo podem aproveitar a oportunidade e comprar. No entanto, apesar da aparente reação da atividade econômica, não aconselho que as famílias comprometam seus recursos na aquisição de bens só para aproveitar os preços. Promoções ocorrem com frequência e não há necessidade de antecipar o consumo. O momento ainda é de prudência", avaliou o economista.

(Redação – Investimentos e Notícias)