Demanda das empresas por crédito cresce 12,3% em maio

  •  
Demanda das empresas por crédito cresce 12,3% em maio (Foto: Pexels) Demanda das empresas por crédito cresce 12,3% em maio

A demanda das empresas por crédito aumentou 12,3% em maio na comparação com abril deste ano, segundo o Indicador da Serasa Experian. O percentual é quase o dobro do registrado em março (6,8%) e indica uma recuperação em relação a abril, quando o índice teve queda de 19,5%. 

Na análise por porte, as pequenas e médias empresas – PMEs – foram as que demandaram mais crédito, com alta de 12,8%. Trata-se de percentual bem acima das médias (1,8%) e grandes companhias (1,3%). 

Entre as regiões, o destaque é a Centro-Oeste, com aumento de 20,6% na demanda das empresas por crédito. Na sequência vem Nordeste, com alta 14,8%, e Sul, onde a procura foi 13,9% maior. 

Para o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, com a reabertura da economia em alguns locais, as empresas estão buscando crédito para reforçar o capital de giro e voltar a expandir gradualmente os seus negócios. “Vimos uma melhora na atividade do comércio em maio e a tendência é que ela continue daqui para frente, mesmo que em ritmo mais lento. As empresas também estão engajadas em renegociar dívidas, o que reflete no índice de busca por crédito. O impulso das PMEs faz sentido, já que o universo das micro e pequenas empresas é muito significativo no Brasil”, afirma o economista.

A recuperação também foi verificada na análise geral dos segmentos da economia como a indústria, que teve alta de 10,8%; o comércio, com 14,4%, e o setor de serviços, onde o aumento foi de 11%. “A retomada das atividades do comércio é o que influencia esse resultado”, ressalta Rabi. 

Avaliação anual

Na comparação anual – maio 2020 x maio 2019 – o indicador mostrou queda de 18,4%, resultado menor que o visto em abril (-23,3%). “Mesmo em queda, o índice mostra um sinal de recuperação, ainda que gradual”, finaliza Rabi. Os setores também apresentaram declínio na relação anual: Serviços (-20,0%), Indústria (-18,2%) e Comércio (-16,6%). 

(Redação – Investimentos e Notícias)