EBITDA ajustado da Magnesita totaliza US$ 151,4 mi

  •  
EBITDA ajustado da Magnesita totaliza US$ 151,4 mi Foto: Divulgação EBITDA ajustado da Magnesita totaliza US$ 151,4 mi

A Magnesita Refratários S.A. (“Magnesita” ou “Companhia”) - (BM&FBOVESPA, Novo Mercado: MAGG3) - anuncia hoje os resultados referentes ao ano de 2016 (“2016”) e do quarto trimestre de 2016 (“4T16”).

O EBITDA ajustado (excluindo-se outras receitas e despesas operacionais) somou US$151,4 milhões em 2016, 4,4% acima do ano anterior, apesar da queda nas vendas.

A Companhia registrou um lucro líquido de US$133,2 milhões em 2016, revertendo o prejuízo líquido de US$297,6 milhões em 2015. O avanço em 2016 foi impulsionado pela melhora nos resultados operacionais, menores despesas financeiras líquidas e, finalmente, pelas outras receitas operacionais relacionadas aos recursos obtidos com a venda do negócio de talco.

O capital de giro totalizou US$211,2 milhões no final do ano, comparado a US$257,3 milhões no trimestre anterior e US$225,3 milhões em 2015. A melhora contra os períodos anteriores reflete o contínuo esforço da Companhia para reduzir a intensidade do capital de giro. Como percentual das vendas trimestrais anualizadas, o capital de giro representou 21,2% ao final de 2016, o menor nível histórico da Magnesita.

A receita do segmento de refratários somou US$852.3 milhões em 2016, 3.5% abaixo do ano anterior, devido à queda no volume de vendas. No ano, o volume atingiu 891.000 toneladas, 6,6% abaixo do ano anterior, explicado principalmente pela contínua queda na produção de aço na América do Sul e Europa, e menores vendas para a indústria de cimento no Brasil.

Ano contra ano, a receita por segmento se manteve praticamente inalterada, com siderurgia representando 84% das vendas de refratários, e as aplicações industriais – principalmente cimento, não ferrosos e vidro – foram responsáveis por 16% das vendas.

Em 2016, a indústria siderúrgica global, principal cliente da Magnesita, continuou impactada pela forte importação de aço, principalmente da China, além da fraca atividade econômica em certos países.

A produção de aço nos mercados estabelecidos da Magnesita caíram em média 2,6%, refletindo principalmente a queda de 8,4% na América do Sul, 2,3% na Europa Ocidental e 0,2% na América do Norte (excluindo México).

Por conseguinte, as vendas de refratários para siderurgia caíram 9,3% em 2016, para 744.400 toneladas. Esse desempenho foi impulsionado principalmente pelo menor nível de produção na América do Sul e na Europa, além da decisão da Companhia de sair de mercados com lucro econômico baixo ou negativo. Do lado positivo, as vendas para as usinas integradas na América do Norte e MEA-CIS registraram crescimento de dois dígitos em 2016.

Dessa forma, as receitas de vendas para a indústria siderúrgica caíram 4,7% no ano, para US$ 708,3 milhões. Devido à decisão da Companhia de sair de mercados com margens baixas, a queda na receita foi menor que a queda no volume.

As vendas para o segmento industrial somaram 146.700 toneladas em 2016, 10,2% acima do ano anterior. A estratégia de expansão geográfica da Magnesita mais do que compensou a fraca performance das indústrias dos mercados estabelecidos da Companhia, especialmente na indústria de cimento no Brasil.

(Redação - Agência IN)