Hábito de presentear sofre impacto de 52,6% com a crise

  •  
Hábito de presentear sofre impacto de 52,6% com a crise Foto: Divulgação

A crise econômica brasileira gerou mudanças no hábito de consumo das pessoas. O Opinion Box (www.opinionbox.com), empresa pioneira em soluções digitais para pesquisas de mercado e de opinião, em parceria com o Mundo do Marketing, portal de notícias com foco em eficiência estratégica, fez uma pesquisa para identificar os hábitos mais impactados pela questão econômica. De acordo com o levantamento, 'dar presentes' foi um dos segmentos mais afetado pela crise. O sexto entre os 10 analisados.

Há 12 meses, 82% dos entrevistados davam presentes aos outros. Agora, são 70% das pessoas. Entre os que deixaram de presentear: 69% atribuem o fato à crise; 15% perderam o emprego; 2% mencionaram a falta de tempo e 14% outros motivos. Entre os que mantiveram o hábito: 45% passaram a gastar menos; 43% mantiveram o gasto e 12% passaram a gastar mais. Pelo levantamento, o Opinion Box identificou que 14% não davam presentes antes e continuam não dando; 16% davam presentes antes; 4% passaram a dar presentes agora e 66% já tinham o hábito e o mantém. Diante dos dados levantados, conclui-se que o impacto real da crise foi de 52,6% neste hábito.

A pesquisa foi realizada com 1.424 internautas brasileiros de ambos os sexos, com idade acima dos 16 anos, provenientes de 475 cidades de todas as regiões do país e de todas as classes sociais. A pesquisa selecionou 10 hábitos que os brasileiros costumam realizar, desde assistir TV aberta ou fechada até comer em restaurantes e viajar. Para cada um desses hábitos, as pessoas foram questionadas se aquele comportamento existia e se tal costume deixou de existir. Aqueles que deixaram o hábito de lado, foram questionados sobre o motivo. Aqueles que não deixaram, no entanto, foram perguntados se passam a fazê-lo com menos ou mais frequência ou se o mantiveram da mesma forma.

A margem de erro da pesquisa é de 2,6 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

(Redação - Agência IN)