Henkel registra lucro líquido ajustado de € 2,353 milhões

  •  
Henkel registra lucro líquido ajustado de € 2,353 milhões Foto: Divulgação

A Henkel publicou hoje, 6, suas perspectivas para o ano fiscal de 2020 e o balanço de 2019. Segundo a empresa, deverá haver um crescimento de vendas orgânicas de 0 a 2%. Espera-se que a margem EBIT ajustada atinja cerca de 15%, e o lucro ajustado por ação preferencial (LPA) diminua na faixa porcentual de um dígito médio a alto a taxas de câmbio constantes.

 

O lucro operacional ajustado (EBIT) diminuiu em -7,9%, de 3.496 milhões de euros no ano anterior para 3.220 milhões de euros.

O retorno sobre as vendas ajustado (margem EBIT) foi de -1,6 ponto percentual em relação ao ano anterior, para 16,0%. A lucratividade da companhia foi impactada negativamente pelo aumento dos investimentos em marcas, tecnologias, inovações e digitalização anunciados no início de 2019. No entanto, o financiamento adicional não foi totalmente utilizado. No total, cerca de 50% do valor planejado de 300 milhões de euros foi gasto em 2019.

O resultado financeiro diminuiu de -65 milhões de euros em 2018 para -88 milhões de euros em 2019. Isso ocorreu principalmente devido às despesas com juros de compromissos de arrendamento, após a aplicação inicial do padrão contábil IFRS 16.

O lucro líquido ajustado, após dedução de participações de acionistas não controladores, foi de 2.353 milhões de euros, em comparação com 2.603 milhões de euros no exercício fiscal de 2018.

Os lucros ajustados por ação preferencial (LPA) diminuíram em -9,7%, de 6,01 euros no ano fiscal de 2018 para 5,43 euros. A taxas de câmbio constantes, os lucros ajustados por ação preferencial diminuíram em -10,1%.

O Conselho de Administração, o Conselho Fiscal e o Comitê de Acionistas vão propor à Assembleia Geral Ordinária de 20 de abril de 2020 o mesmo dividendo que no ano anterior, sendo 1,85 euro por ação preferencial e 1,83 euro por ação ordinária. Isso equivale a uma taxa de pagamento de 34,2%, 3,3 pontos percentuais acima do ano anterior e dentro da meta de pagamento de dividendos de 30 a 40%.

O capital de giro líquido, como porcentagem das vendas, melhorou em -1,2 ponto percentual, para 3,9%.

O fluxo de caixa livre atingiu um novo recorde, com 2.471 milhões de euros (ano anterior: 1.917 milhões de euros).

A posição financeira líquida melhorou ainda mais e encerrou o ano em -2.045 milhões de euros (31 de dezembro de 2018: -2.895 milhões de euros).

(Redação - Investimentos e Notícias)