Iguatemi eleva lucro líquido em 23,6% no 3T18

  •  
Iguatemi eleva lucro líquido em 23,6% no 3T18 Foto: Divulgação

A Iguatemi Empresa de Shopping Centers S.A. (IGUATEMI | B3: IGTA3), com participação em 16 shopping centers e um premium outlet, mantém sua resiliência na apresentação dos resultados do terceiro trimestre de 2018. Apesar do ambiente econômico desafiador, a companhia apresentou um aumento de 23,6% no lucro líquido, atingindo R$ 65,6 milhões no trimestre e um crescimento de vendas do portfólio de 4,8% acima do mesmo período de 2017 para R$ 3,2 bilhões, acumulando R$ 9,5 bilhões no ano.

"A remodelação do mix de lojas de alguns shoppings e inauguração de marcas qualificadas em áreas vagas foram movimentos importantes dentro da estratégia da companhia. Mesmo com a forte base de comparação ano contra ano com o efeito do FGTS e após um trimestre que passou por eventos adversos, começamos a sentir a retomada do varejo e do apetite do consumidor", conta Cristina Betts, CFO da companhia.

A performance também foi um reflexo da dedicação e foco do trabalho dos últimos três anos em reduzir custos e despesas, controlar o capex e o processo de desalavancagem da companhia. O desafio dos próximos meses será reforçar iniciativas de geração de receita por meio de três frentes que vão ajudar a impulsionar o desempenho: reduzir os descontos dos lojistas, melhorar a ocupação dos empreendimentos com marcas qualificadas e expandir os contratos de locações temporárias.

No trimestre encerrado em 30 de setembro, a Iguatemi registrou crescimento de 4,8% nas vendas mesmas áreas (SAS) e 2,9% nas vendas mesmas lojas (SSS), em relação ao mesmo intervalo de 2017. No mesmo período, os aluguéis em mesmas áreas (SAR) e em mesmas lojas (SSR) apresentaram alta de 5,3% e 1,8%, respectivamente, números favorecidos pelo processo de redução de descontos iniciado em janeiro de 2018.

A receita líquida no trimestre alcançou R$ 177,6 milhões, 4,6% acima do registrado no mesmo período de 2017. O EBITDA registrou expansão de 5,5%, atingindo R$ 141,2 milhões, com margem de 79,5%.

"Acreditamos que a Iguatemi está bem posicionada para os desafios dos próximos anos, com portfolio consolidado e balanço patrimonial sólido e estamos confiantes que mais uma vez, entregaremos o guidance previsto para o ano", completa Betts.

Impulsionado pela maturação dos projetos inaugurados nos últimos anos e adensamento do entorno dos ativos da companhia, no total, o desempenho dos shoppings a 100% resultou em receita de aluguel de R$ 244,6 milhões no trimestre, alta de 3,7% em relação ao ano anterior. A receita de estacionamento chegou a R$ 59,8 milhões, 6% maior que no terceiro trimestre de 2017.

A Dívida Total da Companhia encerrou o trimestre em R$ 2,16 bilhões, com prazo médio de 4,5 anos, 0,7% abaixo do trimestre anterior. Já a Dívida Liquida subiu 1,1% em comparação ao 2T18 para R$ 1.560,9 milhões, levando a um múltiplo Dívida Líquida/EBITDA de 2,84x, mantendo a estabilidade em relação ao segundo trimestre de 2018. Em linha com a estratégia da companhia de alongamento do perfil da dívida mantendo a remuneração oferecida aos investidores e reforço do caixa para o próximo ciclo de crescimento, a Iguatemi concluiu em outubro a 7ª emissão de debêntures em três séries.

Responsável por ser uma das principais empresas que lançam as tendências do setor, a Iguatemi segue investindo em inovação para aprimorar a experiência do cliente. A grande aposta para 2019 é o Iguatemi 365, e-commerce premium do grupo, o qual a marca foi anunciada no último mês.

"Sempre ouvimos dos nossos clientes que eles queriam ter a experiência Iguatemi chegando onde quer que eles estivessem e finalmente este sonho irá se concretizar. Iremos quebrar as barreiras geográficas com essa plataforma, que permitirá que os clientes vivenciem a experiência de compra com a qualidade que já estão acostumados, desta vez no ambiente digital, 24 horas por dia e durante todos os dias do ano", finaliza a executiva.

(Redação - Investimentos e Notícias)