Índice do setor de seguros cresce 10,2% em março

  •  
Índice do setor de seguros cresce 10,2% em março Foto: Divulgação Índice do setor de seguros cresce 10,2% em março

O Índice de Confiança do Setor de Seguros (ICSS) – um dos principais termômetros do mercado – subiu 10% em março, de acordo com pesquisa da Federação Nacional dos Corretores de Seguros Privados e de Resseguros, de Capitalização, de Previdência Privada, das Empresas Corretoras de Seguros e de Resseguros (Fenacor). Pela primeira vez desde junho de 2015, o ICSS fechou acima dos 70 pontos (73,9).

“Março foi um mês agitado na política nacional. A expectativa da definição de impasses políticos no país em um futuro próximo pode ter influenciado as respostas de algumas companhias do setor”, comenta o presidente da entidade, Armando Vergilio.

O cálculo do ICSS tem por base entrevistas com executivos de mais de 100 companhias, entre corretoras, seguradoras e resseguradoras. O objetivo é avaliar o grau de confiança e as expectativas do mercado. Dessa forma, a Fenacor espera contribuir para o desenvolvimento institucional do setor de seguros e, em especial, das corretoras de seguros.

O setor de seguros é responsável por 6% do Produto Interno Bruto (PIB). É uma indústria que emprega mais de 40 mil pessoas, abriga cerca de 95 mil corretores e reúne 112 companhias seguradoras em todo o país. Em 2015, movimentou R$ 92 bilhões em volume de prêmios, crescendo 12%, o que mostra sua força na economia nacional.

Os percentuais são calculados a partir de pesquisa realizada pela Fenacor com 100 grandes empresas do setor, que indicam percentuais de 0 a 200 para a confiança na economia, rentabilidade e faturamento. Também foram apurados outros três indicadores: ICSS (de confiança do setor de seguros no Brasil), ICER (Índice de Confiança e Expectativas das Resseguradoras) e ICGC (Índice de Confiança das Grandes Corretoras).

No ano de 2016, a variação do ICER foi a maior: 17,1%. Mas ainda não há o que comemorar pelo fato dos índices estarem muito baixos (abaixo de 100 pontos). Mesmo assim, o ICSS geral do ano aponta variação positiva de 10,2%, segundo a pequisa.

Segundo a Federação, o setor aguarda definições da economia da política nacional para marcar a retomada de suas expectativas positivas. Nos últimos seis meses, o cenário foi de pequenas oscilações e queda.

Para faturamento, as expectativas estão divididas entre as empresas. 52% das seguradoras; 52% das corretoras e 62% das resseguradoras esperam a manutenção ou melhora dos índices nos próximos seis meses. Os índices são superior aos registrados em fevereiro: 46%, 50% e 54%, respectivamente.

Resseguradoras têm melhora na percepção do crescimento da economia

72% das seguradoras; 66% das corretoras e 54% das resseguradoras esperam um crescimento da economia pior ou muito pior, no Brasil, pelos próximos seis meses.

Nesta análise e em comparação com fevereiro, as corretoras tiveram queda de 7 pontos percentuais. Já as resseguradoras tiveram alta 15 pontos percentuais: de 69% para 54%.

Rentabilidade: resseguradoras seguem as mais otimistas

Apenas as resseguradoras estão positivas em relação a rentabilidade, pelos próximos seis meses: 62%. Estes tipo de empresa possui investimentos, o que dá suporte a sua rentabilidade, diferente das demais.

As seguradoras esperam melhora (54%) e as corretoras seguem em baixa: 60% relatam que o cenário pode piorar nos próximos seis meses.

(Redação - Agência IN)