IPCA-15 avança em setembro, revela IBGE

  •  
IPCA-15 avança em setembro, revela IBGE (Foto: Divulgação) IPCA-15 avança em setembro, revela IBGE

O Instituto Brasileiro Geografia e Estatística (IBGE) revelou nesta sexta-feira, 19, que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) teve variação de 0,39% em setembro e ficou 0,25 ponto percentual acima da taxa de 0,14% de agosto. Com isto o IPCA-E (IPCA-15 acumulado nos meses de julho, agosto e setembro) foi de 0,70% acima do resultado de igual período de 2013 (0,50%). No ano, o IPCA-15 foi para 4,72%, superior à taxa de 3,97% do mesmo de período de 2013. Nos últimos 12 meses, o IPCA-15 situou-se em 6,62%, acima dos 12 meses imediatamente anteriores (6,49%). Em setembro de 2013, a taxa havia sido 0,27%.

 

Os preços dos alimentos voltaram a subir e foram para 0,28%, depois de recuarem 0,32% em agosto. A alta foi motivada, principalmente, pelas carnes, que ficaram 2,30% mais caras de um mês para o outro, pela refeição fora de casa, que teve aumento de 0,90%, além do leite longa vida, com 1,47%.

Além do grupo Alimentação e Bebidas (de -0,32% para 0,28%), Vestuário (de -0,18% para 0,17%), Despesas Pessoais (de -0,67% para 0,31%) e Comunicação (de -0,84% para 0,56%) também mostraram alta em setembro enquanto haviam apresentado variações em queda no mês de agosto. No grupo dos Artigos de Residência (de 0,41% para 0,43%) as variações ficaram próximas de um mês para o outro.

A respeito das Despesas Pessoais (de -0,67% para 0,31%), destaca-se que as diárias dos hotéis foram responsáveis pelo resultado do grupo em agosto, apresentando redução de 23,54% e agora, em setembro, ficaram relativamente estáveis, com -0,09%. Quanto ao item empregados domésticos (0,78%), em razão da indisponibilidade das informações da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) para Salvador e Porto Alegre com referência aos meses de maio, junho e julho, estas duas regiões tiveram sua metodologia de cálculo adaptada. O procedimento consistiu em utilizar os últimos rendimentos disponíveis nas duas regiões, que se referem ao mês de abril, para estimar a tendência da série de rendimentos em setembro. Assim, foram estimados, a partir de abril, cinco meses à frente ao invés de dois, como é a metodologia corrente adotada. As demais regiões seguiram o procedimento regular descrito na nota técnica 02/2007, sendo estimados dois meses à frente com base nos rendimentos de julho efetivamente coletados através da PME.

O grupo dos Transportes (de 0,20% para 0,45%) também mostrou aceleração na taxa de crescimento de agosto para setembro. Dele veio a liderança na relação dos principais impactos do mês, as passagens aéreas, com 0,07 ponto percentual em vista da alta de 17,58%.
Já nos grupos Habitação (de 1,44% para 0,72%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,55% para 0,30%) e Educação (de 0,42% para 0,20%) as variações ficaram abaixo do mês anterior. Em Habitação, embora tenha sido o grupo mais elevado no mês, vários itens mostraram recuo, a exemplo da energia elétrica (de 4,25% para 1,52%), condomínio (de 1,36% para 0,35%) e taxa de água e esgoto (de 1,37% para -0,17%). Observa-se que na água e esgoto, a queda de 0,17% foi motivada pela região metropolitana de São Paulo, cujas contas ficaram 2,52% mais baratas, em média, levando em conta a maior intensidade do efeito do Programa de Incentivo à Redução de Consumo de Água, que bonifica com 30% de redução nas contas os usuários que reduzem em 20% o consumo mensal.

Quanto à mão de obra para pequenos reparos (1,05%), também do grupo Habitação, em razão da indisponibilidade das informações da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) de Salvador e de Porto Alegre com referência ao meses de maio, junho e julho, seguiu-se o mesmo procedimento adotado para os empregados domésticos no cálculo dessas duas regiões.

Dentre os índices regionais, o maior foi o de Belém (1,10%), em virtude da alta da energia elétrica (23,55%), tendo em vista o reajuste de 34,41% em vigor desde 7 de agosto. O menor índice foi o de Goiânia (0,05%).

(Redação – Agência IN)