IPCA-15 registra variação de 1,33% em fevereiro

  •  
IPCA-15 registra variação de 1,33% em fevereiro (Foto: Divulgação) IPCA-15 registra variação de 1,33% em fevereiro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) teve variação de 1,33% em fevereiro e ficou 0,44 ponto percentual acima da taxa de 0,89% de janeiro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este é o índice mais elevado desde fevereiro de 2003, quando atingiu 2,19%. O acumulado para os dois primeiros meses do ano situou-se em 2,23%. Considerando os últimos 12 meses, o índice foi para 7,36%, o maior desde junho de 2005 (7,72%). Em fevereiro de 2014, a taxa havia sido 0,70%.

O grupo Educação, com alta de 5,98%, apresentou o maior resultado de grupo no mês. A alta de 5,98% registrada no grupo Educação reflete os reajustes praticados no início do ano letivo, especialmente os aumentos nas mensalidades dos cursos regulares, que subiram 7,29%. À exceção de Fortaleza, que não apresentou aumento em virtude da diferença da data de reajuste, nas demais regiões as variações dos cursos situaram-se entre 5,11%, na região metropolitana de Porto Alegre, e 9,78%, no Rio de Janeiro. Nas mensalidades dos cursos diversos (idioma, informática, etc.), a variação foi de 7,18%.

Considerando os principais impactos individuais, a liderança ficou com energia elétrica, que deteve 0,23 ponto percentual do IPCA-15 devido ao aumento de 7,70% nas contas. Além de reajustes nas tarifas de algumas regiões e de movimentos na parcela de impostos, o item refletiu a complementação do efeito do Sistema de Bandeiras Tarifárias, modelo de cobrança que passou a vigorar a partir de 1º de janeiro. Também no grupo Habitação (2,17%), houve influência de condomínio (0,97%), mão de obra para pequenos reparos (0,91%), gás de botijão (0,89%), taxa de água e esgoto (0,68%) e aluguel residencial (0,65%).

Nos Transportes (1,98%), a alta reflete, principalmente, os reajustes ocorridos nas tarifas dos ônibus urbanos (7,34%). Houve, também, aumento nas tarifas dos intermunicipais, que ficou em 3,61%, sob pressão de São Paulo (7,21%), com reajuste de 16,60% desde 06 de janeiro; Rio de Janeiro (6,68%), com reajuste de 12,46% em 10 de janeiro; Fortaleza (4,51%), com reajuste de 11,00% desde 29/12; e Curitiba (3,31%), com reajuste de 10,00% em 08 de fevereiro.

Ainda no grupo Transportes (1,98%), a alta de 2,96% no litro da gasolina e de 2,54% no litro do diesel reflete o aumento das alíquotas de PIS/COFINS a partir de 1º de fevereiro. O etanol (3,55%) também pressionou o resultado. Além disso, subiram metrô (8,95%), automóvel novo (2,76%), táxi (2,50%) e conserto de automóvel (1,59%).

Em Alimentação e Bebidas (0,85%), alguns produtos mostraram fortes aumentos, como feijão carioca (10,07%), tomate (9,61%), hortaliças (7,71%), batata inglesa (6,77%) e pescados (3,62%). Mesmo assim, o grupo dos alimentos mostrou redução no ritmo de crescimento de preços, já que a alta em janeiro foi de 1,45%.

No grupo das Despesas Pessoais (1,22%), o destaque ficou com os itens excursão (7,48%), cigarro (4,44%), cabeleireiro (1,01%) e manicure (0,65%). Os eletrodomésticos (1,33%) sobressaíram nos artigos de residência (0,62%), a telefonia celular (0,90%) no grupo de Comunicação (0,28%), e em Saúde e Cuidados Pessoais (0,39%) não houve destaques. Já os artigos de vestuário (-0,89%) se apresentaram em queda.

Dentre os índices regionais, os maiores foram os do Rio de Janeiro (1,59%) e São Paulo (1,58%). No Rio de Janeiro, houve pressão da alta nas tarifas do ônibus urbano (8,28%). Em São Paulo, a energia elétrica (12,17%) e ônibus urbano (12,18%) foram responsáveis por 0,64 ponto percentual do índice do mês. O menor índice foi o de Brasília (0,34%), onde as passagens aéreas tiveram queda de 20,86%, que com peso de 2,70% geraram um impacto de -0,56 ponto percentual no índice da área.

(Redação – Agência IN)