Lojas Americanas registra lucro líquido de 54,5% no 3T19

  •  
Lojas Americanas registra lucro líquido de 54,5% no 3T19 Foto: Divulgação

A Lojas Americanas S.A. [B3: LAME3 (ordinárias) e LAME4 (preferenciais)] anunciou os resultados do 3º trimestre de 2019 (3T19) e dos nove primeiros meses de 2019 (9M19). As informações contábeis que servem de base estão apresentadas de acordo com os padrões internacionais de relatório financeiro (IFRS), com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e em Reais (R$).

As comparações referem-se ao 3º trimestre de 2018 (3T18) e nos nove primeiros meses de 2018 (9M18) ajustados pelos efeitos do CPC 06 (R2)/IFRS 16.

A consolidada da empresa registrou GMV +19,8%, que segue em crescimento acelerado com a expansão do marketplace (+50,4%), sólido crescimento da plataforma física (+8,0%), além de contribuição de iniciativas O2O.

A Receita Bruta cresceu 8,7% e Receita Líquida 7,7%. Já o Lucro Bruto subiu 11,4% e 1,2 p.p de Margem Bruta. Os ganhos na margem bruta estão relacionados ao crescimento da operação de marketplace.

O EBITDA Ajustado foi de +8,7% e +0,2 p.p. de Margem EBITDA. A alavancagem operacional verificada permitiu um crescimento do EBITDA acima do crescimento de receita, levando a uma expansão de margem.

Enquanto isso, o Lucro Líquido registrou 54,5% e +0,3 p.p. Margem Líquida
Crescimento impulsionado pelo avanço do EBITDA, bem como pela queda do resultado financeiro líquido e
pela geração de caixa.

Em relação à controladora, a Receita Bruta foi de +8,0% e Receita Líquida de +7,2%. Crescimento sólido apesar do cenário econômico e de consumo desafiadores.

A Receita Bruta 'Mesmas Lojas' teve alta de 6,0% e a Receita Líquida 'Mesmas Lojas' +5,2%. Superando a inflação medida pelo IPCA em +3,1 p.p e +2,3 p.p., respectivamente.

O Lucro Bruto foi de +7,0% e a Margem Bruta permaneceu estável. A Companhia manteve a margem estável apesar da pressão gerada pelo fim da 'Lei do Bem'.

Já o EBITDA Ajustado registrou 7,2% e a Margem EBITDA também ficou estável.

O Capital de Giro teve redução de 10 dias no ciclo operacional, principalmente devido à redução de leadtime, melhor assertividade do estoque e estratégias de meios de pagamento mais efetivas.

(Redação - Investimentos e Notícias)