Lucro líquido do Santander atingiu R$ 14.550 mi em 2019

  •  
Lucro líquido do Santander atingiu R$ 14.550 mi em 2019 (Foto: Divulgação) Lucro líquido do Santander atingiu R$ 14.550 mi em 2019

O lucro líquido gerencial do Santander atingiu R$ 14.550 milhões em 2019, crescimento de 17,4% em doze meses e 0,6% em três meses. 

As receitas totais totalizaram R$ 65.379 milhões em 2019, aumento de 6,8% em doze meses e 3,8% em três meses. A margem financeira somou R$ 46.695 milhões no ano de 2019, alta de 6,4% em doze meses, em reflexo principalmente do bom desempenho da margem de crédito, em função do maior volume em todos os segmentos. Em três meses, a margem financeira cresceu 4,7% em decorrência principalmente dos maiores ganhos de atividades com o mercado.

As comissões alcançaram R$ 18.684 milhões no ano, crescimento de 8,1% em doze meses devido ao aumento da base de clientes, vinculação e maior transacionalidade. As principais contribuições desse resultado vieram de serviço de conta corrente, cartões de crédito e adquirência, seguros e serviços de colocação de títulos, custódia e corretagem. Em três meses, as comissões totais subiram 1,5% principalmente em cartões e serviços adquirente, assim como seguros, influenciados pela sazonalidade no período.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE), ajustado pelo ágio, atingiu 21,3% no ano, expansão de 1,5 p.p. em relação a 2018. No trimestre, a rentabilidade também foi de 21,3%, alta de 0,2 p.p. em três meses.

As despesas gerais totalizaram R$ 21.238 milhões em 2019, crescimento de 5,0% em relação ao ano anterior, o que representa uma evolução inferior a expansão das receitas totais no mesmo período. Em três meses, as despesas gerais subiram 8,0%. Os principais gastos em ambos períodos foram serviços técnicos especializados e de terceiros e propaganda, promoções e publicidade.

O índice de eficiência atingiu 39,8% em 2019, redução de 0,8 p.p. em doze meses atingindo o melhor patamar anual desde o IPO. No trimestre, o índice subiu 1,8 p.p. alcançando 41,1% em função da sazonalidade de maiores despesas no quarto trimestre do ano.

A carteira de crédito total atingiu R$ 352.028 milhões em dezembro de 2019, expansão de 15,3% em doze meses (ou alta de 14,9% desconsiderando o efeito da variação cambial), com desempenho positivo em todos os segmentos, sendo os destaques pessoa física e grandes empresas. Em três meses, o saldo total de crédito aumentou 6,2%.

Vale mencionar a retomada no trimestre em grandes empresas, que aumentou 8,1%, e pequenas e médias empresas que cresceu 6,7%. A participação de mercado em crédito alcançou 10,0% em novembro de 2019, o que representa o maior patamar dos últimos dez anos, e uma alta de 0,75 p.p. em doze meses. 

A carteira de crédito ampliada totalizou R$ 432.549 milhões, crescimento de 11,8% em doze meses e 5,8% em três meses.
O patrimônio líquido excluindo o saldo do ágio no montante de R$ 1.612 milhões, totalizou R$ 68.161 milhões no final de dezembro de 2019, alta de 5,6% em doze meses e redução de 5,3% em três meses. 

O índice de inadimplência acima de 90 dias alcançou 2,9%, redução de 0,2p.p. em doze meses e de 0,1 p.p. em três meses, em função da melhora no segmento de pessoa jurídica em ambos os períodos.

O custo de crédito atingiu 3,0% em 2019, redução de 0,3 p.p. em relação ao ano anterior. No trimestre, o indicador reduziu 0,4 p.p. para 2,7% resultado da qualidade de nossa carteira de crédito.

Por fim, o índice de Basileia atingiu 15,0% em dezembro de 2019, redução de 0.03 p.p. em doze meses e 1,2 p.p. em três meses

(Redação – Investimentos e Notícias)