Petróleo fecha a US$ 92,92 o barril em Nova York

  •  
Após registrar fortes perdas recentemente, os preços do petróleo cotado em Nova York se recuperaram um pouco Foto: Divulgação Após registrar fortes perdas recentemente, os preços do petróleo cotado em Nova York se recuperaram um pouco

Após registrar fortes perdas recentemente, os preços do petróleo cotado em Nova York se recuperaram um pouco, puxados por uma alta atividade nas refinarias americanas e persistentes riscos geopolíticos no Oriente Médio.


O barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em outubro subiu 65 centavos, fechando a 92,92 dólares no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte com entrega no mesmo prazo, em seu último dia de cotação, fechou a 96,65 dólares no Intercontinental Exchange (ICE), uma queda de 46 centavos em relação a sexta-feira. Trata-se da cotação mais baixa desde 28 de junho de 2012.

Pela manhã, o mercado de energia foi afetado por dados considerados preocupantes sobre a demanda da China, segundo maior consumidor mundial de cru.

O crescimento da produção industrial chinesa registrou em agosto sua taxa mais baixa em mais de cinco anos, enquanto as vendas no varejo e os investimentos de capital também desaceleraram no mês passado.

"Esses números golpearam frontalmente os preços do petróleo, porque o mercado conta com a China para absorver o excedente de produção no mundo", ressaltou John Kilduff, da Again Capital.

"A recuperação mais rápida que o esperado da produção da Líbia permite antecipar uma oferta maior do que a esperada e pesa sobre os preços", concordou Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

Além disso, as refinarias americanas aceleram seu ritmo na semana passada, alcançando 93,5% de sua capacidade.

Em escala mundial, a persistência de importantes riscos geopolíticos, sobretudo no Iraque, "mostra que a produção petroleira em alguns países não está segura" e pode ser perturbada a qualquer momento", lembrou Tim Evans, da Citi Futures. As informações são da AFP.

(Redação- Agência IN)