PIB brasileiro cresce 0,2% no 1º trimestre, revela IBGE

  •  
PIB brasileiro cresce 0,2% no 1º trimestre, revela IBGE Divulgação PIB brasileiro cresce 0,2% no 1º trimestre, revela IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,2% no primeiro trimestre se comparado com o quarto trimestre de 2013.

Em relação a igual período de 2013, o PIB cresceu 1,9% no primeiro trimestre do ano. O Valor Adicionado a preços básicos cresceu 1,8% e os Impostos sobre Produtos, 2,4%. A Agropecuária cresceu 2,8%, a Indústria, 0,8% e os Serviços, 2,0%.

No acumulado em quatro trimestres, o PIB cresceu 2,5%. O Valor Adicionado cresceu 2,3% e os Impostos sobre Produtos 3,5%, refletindo os seguintes desempenhos: Agropecuária (4,8%), Indústria (2,1%) e Serviços (2,2%).

Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,204 trilhão. A taxa de investimento foi de 17,7% do PIB, abaixo da observada no 1º trimestre do ano anterior (18,2%). A taxa de poupança foi de 12,7% (ante 13,7% no mesmo período de 2013).

O PIB teve variação positiva de 0,2% em relação ao quarto trimestre de 2013, na série com ajuste sazonal. Agropecuária (3,6%) e Serviços (0,4%) cresceram, mas a Indústria recuou 0,8%.

Dentre os subsetores da Indústria, a Indústria de Transformação (-0,8%) e a Construção civil (-2,3%) recuaram em relação ao trimestre anterior, enquanto a Extrativa mineral (0,5%) e a atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (1,4%) tiveram crescimento.

Nos Serviços, os destaques positivos foram Intermediação financeira e seguros (1,2%), Atividades imobiliárias e aluguel (0,9%), Transporte, armazenagem e correio (0,8%) e Administração, saúde e educação pública (0,4%). Entre as quedas, destacam-se os Serviços de informação (-5,2%) e Outros serviços (-0,7%). O Comércio (-0,1%), por sua vez, manteve-se praticamente estável em relação ao último trimestre de 2013.

A Despesa de Consumo da Administração Pública cresceu 0,7%. A Formação Bruta de Capital Fixo recuou 2,1% e a Despesa de Consumo das Famílias ficou praticamente estável (-0,1%).

Já as Exportações de Bens e Serviços caíram 3,3%, enquanto que as Importações apresentaram expansão de 1,4%.

(Redação – Agência IN)