Pravaler tem mudança acionária com maior participação do Itaú Unibanco

  •  
Pravaler tem mudança acionária com maior participação do Itaú Unibanco Foto: Divulgação Pravaler tem mudança acionária com maior participação do Itaú Unibanco

O Pravaler, maior fintech de soluções financeiras para Educação do País, mudou sua estrutura acionária. O Itaú, que já é um parceiro e antigo acionista não-controlador da companhia, aumenta a sua participação acionária na fintech atingindo 37,9% das ações ordinárias em base fully-diluted. Além do Itaú, permanecerão como acionistas do Pravaler os sócios-fundadores e outros investidores institucionais, como a Ribbit Capital e a EOS Investimentos.

Esta é a maior transação societária na história do Pravaler, que manterá a autonomia em suas operações e continuará atuando de forma completamente independente, sem qualquer interferência externa em relação aos principais temas da gestão, não havendo, portanto, mudanças em seu dia a dia.

O aumento da participação do Itaú é uma importante demonstração da sustentabilidade e do potencial de crescimento do Pravaler. "Nossa missão é ampliar o acesso à educação para milhões de pessoas até 2025 e transformar a vida delas e de suas famílias. Até hoje já financiamos mais de 3 bilhões de reais e, neste novo momento da companhia, o Pravaler tem planos de chegar ao montante de 10 bilhões de reais em financiamento estudantil nos próximos seis anos. Estamos trabalhando muito para isso e nossos parceiros são peças fundamentais para alcançarmos este objetivo", afirma Carlos Furlan, CEO do Pravaler. "Esta transação reforça nossa credibilidade no mercado, que é resultado do trabalho sério e sólido que realizamos ao longo dos anos", completa o executivo.

O fortalecimento de parcerias com os acionistas é parte importante do plano de crescimento da companhia que espera quintuplicar de tamanho nos próximos seis anos. "Este é um reconhecimento do constante esforço para a consolidação do Pravaler no mercado e um estímulo para trazer ainda mais inovação ao nosso modelo de negócio. Temos trabalhado em novos produtos de financiamento, modelos estudantis simples e sem burocracia para facilitarmos ainda mais o acesso à educação do Brasil", finaliza Furlan.

(Redação - Investimentos e Notícias)