Receita ajustada da Delta Air Lines atinge US$ 10,4 bi

  •  
Receita ajustada da Delta Air Lines atinge US$ 10,4 bi Foto: Divulgação

A Delta Air Lines (NYSE:DAL) divulgou seus resultados financeiros referentes aos três primeiros meses do ano e forneceu perspectivas para o segundo trimestre que se encerrará em junho. Os destaques desses, incluindo GAAP e as métricas ajustadas, são apresentados abaixo.

 

Destaques dos resultados financeiros do primeiro trimestre de 2019:

-O lucro ajustado por ação foi de US$ 0,96, um aumento de 28% em relação ao ano anterior, com o desempenho sólido e benefício da renovação antecipada do contrato com a American Express.

-A receita total ajustada, que exclui as vendas da refinaria, subiu 7,5%, atingindo US$ 10,4 bilhões, com 55% desse valor vindo dos produtos premium e fontes não relacionadas a passagens aéreas.

-A receita unitária total ajustada alcançou 2,4%, impulsionada pelo crescimento de dois dígitos na receita corporativas doméstica e pelo benefício de aproximadamente 1,0 do acordo com a American Express.

-O custo unitário sem o combustível (CASM-Ex) diminuiu 0,2% em relação ao mesmo período do ano passado, marcando o terceiro trimestre consecutivo de redução do custo.

-A Delta gerou US$ 2,0 bilhões em fluxo de caixa operacional e US$ 760 milhões em fluxo de caixa livre depois de investir US$ 1,3 bilhão no negócio, principalmente para aquisição e modificações nas aeronaves.

-Foram devolvidos US$ 1,6 bilhão aos acionistas; deste valor, US$ 1,3 bilhão são de recompra de ações e US$ 233 milhões em dividendos.

"A companhia teve um forte começo em 2019. Nosso desempenho no primeiro trimestre mostra a força da preferência crescente pela nossa marca, nossas vantagens competitivas inigualáveis e, o mais importante, as pessoas da Delta que estão comprometidas com o fornecimento das melhores experiências de viagem aos nossos clientes todos os dias. Tenho o prazer de reconhecer seus esforços com US$ 220 milhões de participação nos lucros do ano que vem", disse Ed Bastian, CEO da empresa. "Com o ritmo dos nossos negócios e a renovação do contrato com a American Express, aumentamos a confiança de alcançar o nosso plano anual de crescimento da linha principal, expansão da margem e aumento de dois dígitos nos lucros."

Para o segundo trimestre de 2019, a Delta espera ter crescimento da linha principal de 6% a 8% e expansão da margem.

A receita operacional ajustada de US$ 10,4 bilhões no primeiro trimestre subiu 7,5%, ou US$ 728 milhões, em relação ao ano anterior. Esse resultado é um recorde para esse trimestre, graças às melhorias nos negócios, incluindo um aumento de 8% na receita de produtos premium e aumento de dois dígitos na receita de fidelidade e da unidade MRO (manutenção, reparo e revisão). A receita de transporte de carga diminuiu 5%, devido aos volumes menores.

"A demanda pelos produtos da Delta nunca foi tão forte, conforme mostra o crescimento de 7,5% da receita líquida neste primeiro trimestre. Isso reforça nossa expectativa de 1,5% a 3,5% de aumento da receita unitária no segundo trimestre, com melhora sequencial na receita unitária de passageiros em todas as entidades", disse Glen Hauenstein, presidente da companhia. "Com nossas iniciativas comerciais focadas no cliente, que proporcionam forte fidelidade e suporte de primeira linha, esperamos aumento de receita de 5% a 7%, que está acima da nossa orientação anterior."

O total de despesas operacionais ajustadas do primeiro trimestre deste ano aumentou US$ 510 milhões em relação ao mesmo período do ano passado. CASM-Ex teve queda de 0,2% no devido a mudanças nas operações e no cronograma de despesas e fortes controles dos custos.

As despesas de combustível ajustadas aumentaram US$ 87 milhões, ou 5%, em relação ao primeiro trimestre de 2018. O preço de combustível por galão ajustado da Delta foi de US$ 2,05, que inclui perda de US$ 34 milhões da refinaria devido a baixas crack spreads da gasolina.

A despesa não operacional ajustada do trimestre aumentou US$ 69 milhões em relação ao ano anterior, principalmente devido à menor renda de previdência e maior pressão por ganhos de parceiros de patrimônio internacionais.

"O fluxo de caixa operacional do primeiro trimestre de 2019 melhorou com o aumento da receita da linha principal, os fortes controles de custos e a expansão da margem. Nosso desempenho de fluxo de caixa nos permite reinvestir para aumentar os lucros de longo prazo, mantendo nosso balanço com investimentos e devolvendo dinheiro aos acionistas de forma consistente", disse Paul Jacobson, diretor financeiro da Delta. "O nosso custo unitário não relacionado a combustível reflete nossos esforços de renovação da frota e nosso trabalho com One Delta; por isso, temos a visão clara de que atingiremos nossas metas de crescimento de 1% de custo unitário não relacionado a combustível e US$ 3 a 4 bilhões em fluxo de caixa livre."

A Delta gerou US$ 2 bilhões em fluxo de caixa operacional, pois a melhoria da lucratividade e a geração de caixa sazonal foram parcialmente compensadas pelo pagamento de US$ 1,3 bilhão de participação nos lucros aos funcionários relacionada ao desempenho de 2018. A Delta gerou US$ 760 milhões de fluxo de caixa livre durante o trimestre, após o investimento de US$ 1,3 bilhão nos negócios, principalmente na aquisição e melhorias de aeronaves.

A aérea acelerou a recompra de ações no trimestre financiada por um empréstimo de curto prazo de US$ 1 bilhão. Durante o período, a empresa pagou US$ 300 milhões deste empréstimo e espera pagar o restante até o final do ano. Além disso, devolveu US$ 1,6 bilhão aos acionistas durante o primeiro trimestre de 2019, compreendendo US$ 1,3 bilhão em recompras de ações e US$ 233 milhões em dividendos.

No primeiro trimestre de 2019, a Delta atingiu vários marcos em cinco pilares estratégicos principais.

Celebrou o compromisso das suas pessoas com US$ 1,3 bilhão em participação nos lucros relacionada ao desempenho de 2018, o segundo maior pagamento de participação nos lucros da história da companhia aérea.

Alcançou a posição mais alta entre as Empresas Mais Admiradas da Fortune de 2019 e ficou em primeiro lugar pela oitava vez nos últimos nove anos como a Companhia Aérea Mais Admirada da Fortune.
Introduziu um dia de serviço remunerado para todos os funcionários, com base no compromisso da Delta de doar 1% dos lucros para organizações de caridade, por meio de aproximadamente 640 mil horas de serviço comunitário.

A Delta continua com seu compromisso com as comunidades dos seus funcionários, parceiros e clientes com a participação no 16º Delta Global Build com a Habitat for Humanity e celebrando a vida do Dr. Martin Luther King Jr. por meio de uma concessão para reabrir o Parque Nacional Histórico Martin Luther King Jr. em Atlanta, durante o fim de semana do feriado de Martin Luther King, depois de ter permanecido fechado devido à falta de repasses federais.

Atingiu o maior fator de conclusão do sistema de rede no primeiro trimestre desde 2012, e continua elevando o nível de excelência operacional e oferecendo consistência e confiabilidade aos seus clientes.
Completou 69 dias com zero cancelamento na linha principal, 28 dias de zero cancelamento no sistema e alcançou índice de pontualidade (A0) de 72,0% em suas linhas principais no primeiro trimestre de 2019.

Comemorou cinco anos da parceria entre a Delta e a Virgin Atlantic, com foco em oferecer a melhor experiência do cliente no mercado transatlântico, com mais de 70 voos diretos diários entre o Reino Unido e os Estados Unidos, desempenho pontual líder, além de tecnologias e serviços aprimorados no terminal e na cabine.

Solicitou ao Departamento de Transporte dos Estados Unidos a permissão para fornecer serviços adicionais ao Aeroporto de Tóquio-Haneda, propondo a expansão da confiabilidade operacional da Delta e atendimento ao cliente excepcional para mais clientes que voam pelo Pacífico.
Experiência e fidelidade do cliente

A Delta renovou por mais 11 anos o contrato com a American Express, garantindo que as duas empresas continuem trabalhando juntas para oferecer o melhor valor aos clientes, enquanto dobra seus benefícios que devem atingir quase US$ 7 bilhões anuais até 2023 (em 2018, esses benefícios eram de US$ 3,4 bilhões).
Lançou a moderna aeronave A220, voando do hub da Delta em Nova York-LaGuardia para Dallas/Ft. Worth e Boston, e do hub da Delta em Detroit para Dallas/Ft. Worth.

Lançou o recurso que permite aos membros SkyMiles atualizarem sua experiência pós-compra usando milhas no Fly Delta App, aumentando as opções para os clientes e as oportunidades de uso das milhas como uma forma de pagamento para a Delta.

Atingiu US$ 1,3 bilhão em recompras de ações, recomprando oportunamente 26 milhões de ações e reafirmando o compromisso da Delta com retornos consistentes aos acionistas.

Reduziu seus custos de empréstimos e manteve a dívida balanceada ao garantir uma taxa fixa de 3,2% combinada em um Enhanced Equipment Trust Certificate (EETC) de US$ 500 milhões garantido para 14 aeronaves.

(Redação - Investimentos e Notícias)