Receita Líquida da área de Tecnologia da TOTVS cresce 6,5%

  •  
Receita Líquida da área de Tecnologia da TOTVS cresce 6,5% Foto: Divulgação

A TOTVS (TOTS3) anunciou os resultados do segundo trimestre de 2020. Neste trimestre, os dados apresentados no relatório financeiro consolidam também os resultados dos meses de abril, maio e junho de 2020 da Consinco e da Wealth Systems e dos meses de maio e junho de 2020 da Supplier S.A.

Dessa forma, visando facilitar o acompanhamento gerencial, a companhia passa a apresentar os resultados financeiros e operacionais em dois segmentos: Tecnologia - que envolve todo o negócio de software da companhia (soluções de ERP, RH, Verticais e Business Performance) - e Produtos de Crédito Supplier.

Na área de Tecnologia, a Receita Líquida apresentou crescimento de 6,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo o patamar de R﹩627,4 milhões. Refletido principalmente pelo crescimento de 13,1% da Receita Recorrente, que representou 80,7% do total do trimestre.

O resultado positivo deve-se ao crescimento das vendas para atuais e novos clientes, que, mesmo com um cenário desafiador, apresentou Receita Recorrente Anualizada (ARR) com alta de 14,7% em relação ao mesmo período de 2019, atingindo R﹩ 2,082 bilhões, e Taxa de Renovação de 99%.

O crescimento das Receitas Recorrentes, aliado à disciplina na gestão de custos e despesas, resultou na expansão de 220 pontos base ano contra ano da Margem EBITDA, que atingiu 22,8% no período, mesmo com o aumento dos valores provisionados de bônus e de incentivo de longo prazo.

Resultados de Produtos de Crédito Supplier

As Receitas com Produtos de Crédito Supplier, referentes aos meses de maio e junho de 2020, atingiram R﹩ 26,7 milhões. Os resultados tiveram uma redução de 26,7% em relação ao mesmo período de 2019, devido ao cenário de pandemia que levou à TOTVS a optar por uma redução da carteira de crédito e por uma postura mais conservadora na gestão dos limites para concessão de crédito, com vistas a manter os níveis de inadimplência em linha com os patamares históricos.

Outro fator que afetou os resultados foi a queda da taxa Selic média, que saiu de 6,5% (no segundo trimestre de 2019) para 2,9% (nos últimos três meses), impactando a composição nominal da taxa final praticada nas operações de crédito, mesmo que o spread médio tenha se mantido próximo da estabilidade.

(Redação - Investimentos e Notícias)