Suzano registra lucro de R$ 5.914 milhões no 4T20

  •  
Suzano registra lucro de R$ 5.914 milhões no 4T20 (Foto: Pexels) Suzano registra lucro de R$ 5.914 milhões no 4T20

A receita líquida da Suzano no 4T20 foi de R$ 8.013 milhões. Em relação ao 4T19, o aumento de 14% da receita líquida ocorreu em função principalmente da valorização de 31% do USD médio vs.o BRL, parcialmente compensados pela queda de 8% no volume vendido de celulose e papel e do preço médio líquido da celulose em USD.A elevação de 7% da receita líquida consolidada no 4T20 em relação ao 3T20 é explicada basicamente pelo aumento de 6% no volume de vendas total, que foi de 3.017 mil toneladas.

O CPV base caixa no 4T20 totalizou R$ 3.353 milhões ou R$ 1.111/ton. Na comparação com o 4T19, o CPV caixa apresentou redução de 21%, principalmente em função do menor volume de vendas, da ausência do volume de vendas da celulose de Klabin, do efeito de giro de estoques, e em função dos ajustes não recorrentes ocorridos no 4T19, parcialmente compensado pela valorização do USD vs. o BRL de 31%. Na análise por tonelada, a queda também de 14% é explicada pelos mesmos fatores acima. Na comparação com o 3T20,o CPV base caixa teve aumento de 9%em função sobre tudo do maior volume vendido (+6%) e maior custo da celulose (maior custo de produção e maior impacto das paradas programadas para manutenção). Na análise por tonelada, o indicador foi 3% maior que no trimestre anterior devido ao fator custo de produção.

As despesas com vendas base caixa apresentaram aumento de 26%em relação ao 4T19, em função principalmente da valorização do USD médio vs. o BRL de 31% e maiores despesas logísticas decorrentes do mix de vendas (maior participação da América do Norte), parcialmente compensados pela queda no volume de vendas. Na análise por tonelada, as despesas com vendas base caixa aumentaram 38% devido principalmente ao efeito câmbio sobre as despesas em moeda estrangeira e mix de vendas. Quando comparado ao 3T20,o aumento de 37% na despesa com vendas base caixa é explicada principalmente pelo maior serviço logístico (mix de vendas com maior representação da América do Norte) e maior volume de vendas. As despesas com vendas base caixa por tonelada tiveram uma elevação de 29%, em função do mix de vendas.

Na comparação com o 4T19, o aumento de 56% das despesas gerais e administrativas base caixa é explicada principalmente pela elevação em gastos com pessoal (remuneração variável). A mesma análise explica o aumento de 70% na comparação por tonelada. Na comparação com o 3T20, as despesas gerais e administrativas caixa foram 51% superiores em função de maiores gastos com pessoal (remuneração variável) e serviços de terceiros. Na análise por tonelada, o aumento de 42% é justificado pelos mesmos fatores.

O aumento do EBITDA Ajustado do 4T20 em relação ao 4T19 é explicado pela valorização do USD médio frente ao BRL (+31%) e pela redução do CPV base caixa. Esses efeitos foram parcialmente compensados pelo maior SG&A, menor volume de vendas e queda de 3% no preço líquido da celulose em USD. A elevação do EBITDA por tonelada de 67% é explicada pelo fator câmbio e pela redução no custo de produção, parcialmente compensados pelo aumento no SG&A e menor preço da celulose.

Já em relação ao 3T20, o aumento do EBITDA Ajustado de 5% deveu-se sobretudo ao aumento de 6% do volume vendido total e ao maior preço médio líquido da celulose e do papel (+1%), efeitos parcialmente compensados pelo aumento do SG&A. O EBITDA ajustado por tonelada ficou praticamente estável.

As despesas financeiras totalizaram R$ 974 milhões no 4T20, 8% e 29% inferior ao 4T19 e 3T20, respectivamente. Na comparação com o 4T19, além da redução dos indexadores de dívida em moeda nacional, como CDI, SELIC e TJLP, ocorreram liquidações de dívidas no vencimento, ao longo do ano de 2020, sendo a maior delas os CRAs, no valor de R$ 2,8 bilhões, explicando a queda dos juros em moeda local. Em relação ao aumento dos juros em moeda estrangeira, aqueda da Libor e a redução nos juros de bonds acabaram compensados pela valorização do USD médio vs. BRL. Na comparação com o3T20, a reduçã oocorreu em função das despesas financeiras ocorridas no trimestre anterior, relacionadas ao processo de recompra parcial das Senior Notes 2024,2025 e 2026 no montante de R$ 391 milhões.

No 4T20, a Companhia registrou lucro de R$ 5.914 milhões, contra lucro de R$ 1.175 milhões no 4T19 e prejuízo de R$ 1.158 milhões no 3T20. A variação em relação ao 4T19 é explicada pelo melhor resultado financeiro, por sua vez decorrente da variação cambial sobre a dívida e pelo resultado de operações com derivativos; bem como pelo aumento no resultado operacional. Em relação ao 3T20, a variação positiva de R$ 7.072 milhões no resultado líquido reflete principalmente a variação positiva no resultado financeiro (variação cambial positiva sobre a dívida e derivativos).

No 4T20,os investimentos de capital (em regime caixa) totalizaram R$ 1.173 milhões, 15% inferior ao mesmo período do ano anterior, principalmente em função de menores gastos com terras e florestas e terminais portuários (menores gastos com o Projeto Vértere), parcialmente compensado por maiores gastos com manutenção industrial e valorização do USD vs. BRL de 31%. Em relação ao 3T20, o capex ficou estável, com maiores gastos com manutenção, sendo compensados pelo menor investimento em terras e florestas.

(Redação – Investimentos e Notícias)