Vale informa sobre linha de crédito para Samarco

A Vale informa que pretende disponibilizar à Samarco linhas de crédito de curto prazo de até US$ 48 milhões para apoiar suas operações (US$ 42 milhões) no primeiro semestre de 2018 e cobrir as despesas relacionadas aos especialistas nomeados em consonância com o Acordo Preliminar com o Ministério Público Federal, assinado em janeiro de 2017, sem que isso configure uma obrigação da Vale para com a Samarco. Os fundos serão liberados à medida que forem necessários. Da mesma forma, a BHP Billiton Brasil pretende tornar disponível para Samarco linhas de crédito de curto prazo em termos e condições similares aos acima mencionados.

Justiça anula acordo entre Samarco, Vale, BHP e União e mantém ação

Atendendo a pedido do Ministério Público Federal (MPF), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região anulou a homologação judicial do acordo firmado entre União, os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo e a empresa Samarco e suas acionistas, Vale e BHP Billiton, para a recuperação da bacia do Rio Doce após rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), em novembro de 2015.

Vale comenta suspensão da homologação do Acordo da Samarco

Complementando o comunicado enviado hoje, sexta-feira, por volta das 10h, a Vale esclarece que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) não revogou a decisão do Tribunal Regional Federal da 1° região (TRF), de 5 de maio de 2016, que homologou o acordo celebrado entre a Samarco Mineração S.A. e seus dois acionistas, a Vale e a BHP Billiton Brasil LTDA com a União, os Estados do Espírito Santo e de Minas Gerais e outras autoridades públicas.

STJ começa a definir competência para julgar ações contra a Samarco

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) começou a analisar hoje (25) a competência da Justiça estadual de Minas Gerais para julgar os processos que envolvem a mineradora Samarco no caso do rompimento da Barragem do Fundão em Mariana, Minas Gerais, em novembro do ano passado. Por determinação do tribunal, todas as ações que envolvem a questão estão suspensas até decisão final sobre o caso.

Samarco pagará R$ 4,4 bilhões para compensar tragédia de Mariana

A Samarco, dona da mineradora onde houve rompimento de uma barragem, em Mariana (MG), que causou o maior desastre ambiental da história do país, assinou nesta tarde um acordo para recuperação da Bacia do Rio Doce. Nos próximos três anos, a empresa destinará R$ 4,4 bilhões para compensar os prejuízos sociais, ambientais e econômicos da tragédia.

Samarco pagará R$ 4,4 bi nos próximos três anos para recuperar Rio Doce

Um acordo para a recuperação da Bacia do Rio Doce, que foi prejudicada pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco no município mineiro de Mariana, em novembro do ano passado, está sendo negociado hoje (26) em Brasília. Segundo a Procuradoria-Geral do Espírito Santo, a Samarco concordou em arcar com o pagamento de R$ 4,4 bilhões pelo trabalho de recuperação, nos próximos três anos.

Assinar este feed RSS