Receita líquida consolidada da Randon cresce 23,0%

A Randon S.A Implementos e Participações (Empresas Randon) inicia 2019 com boas perspectivas. Após um desafiador 2018, a Companhia encerra o primeiro trimestre deste ano com indicadores positivos tendo registrado crescimento de receita líquida em todas as divisões (montadoras, autopeças e serviços financeiros), comparando 1T2019 com 1T2018, apesar de uma pequena redução em relação ao último trimestre do ano anterior.

Fras-le registra receita líquida de R$ 322,7 mi no 1T19

O primeiro trimestre de 2019 foi desafiador aos negócios da Fras-le em aumentos de custos, principalmente pela pressão inflacionária sobre a matéria prima - em particular na controladora no Brasil -; pela instabilidade econômica na Argentina que afetou consideravelmente o resultado financeiro das controladas da Companhia naquele país; e por aumento de custos, amplificados pela retirada de incentivos fiscais que impactaram a rentabilidade. A estes fatos, soma-se um mercado doméstico mais competitivo e contaminado com as pautas políticas que se refletiram na economia neste momento, seja pelo resultado de baixo crescimento ou pela instabilidade macroeconômica, refém das reformas a serem aprovadas. Estes são os principais fatores que excluíram uma parcela importante do desempenho operacional e do resultado financeiro.

Randon anuncia receita bruta de R$ 6 bilhões em 2018

A Randon S.A - Implementos e Participações (B3 - RAPT3 e RAPT4), controladora de dez empresas que atuam nos segmentos de veículos e implementos, autopeças e serviços financeiros, anunciou seus resultados do quarto trimestre de 2018 (4T2018) e do acumulado de 2018 (2018), encerrado em 31/12/2018. As informações financeiras e operacionais da Companhia, exceto quando indicadas de outra forma, são consolidadas de acordo com as normas internacionais IFRS - International Financial Reporting Standards e os valores monetários estão expressos em Reais.

Crise ajuda segmento de autopeças, segundo ACSP

O volume de vendas das lojas de autopeças e acessórios automotivos cresceu 5,2% no Estado de São Paulo no período acumulado de 12 meses terminados em fevereiro (fevereiro de 2016 a fevereiro de 2017), sobre igual período anterior. O resultado está apontado pela pesquisa ACVarejo, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Tecnologia ajuda mercado de autopeças a vender mais

Enquanto a previsão de quase todos os setores é pessimista, nada vendeu tão bem nos últimos três anos no Mercado Livre como acessórios e peças para carros, seja porque os brasileiros estão comprando e trocando menos de automóveis ou porque enxergaram nesse mercado uma forma de economizar.

Faturamento nominal do setor de autopeças pode atingir R$ 63 bilhões, aponta Sindipeças

O Sindipeças atualizou as projeções de desempenho do setor para este ano e para 2017. O faturamento nominal pode chegar a R$ 63 bilhões em 2016, com queda de 4,5% sobre o registrado no ano anterior. Espera-se pequena recuperação em 2017, de 2,7%, para um faturamento nominal de R$ 64,7 bilhões. Estimativas da entidade indicam que as cerca de 460 empresas associadas devem investir US$ 414 milhões este ano, valor 25,1% inferior ao investido em 2015. O número de empregados deve chegar a 164 mil trabalhadores ao final deste ano, nível 4,4% inferior ao apresentado no final de 2015. A queda do número de empregos só não é maior pela utilização de instrumentos como banco de horas, férias coletivas, redução de jornada e salário e o Programa de Proteção ao Emprego (PPE).

Governo reduz imposto de importação de peças para carros

O Diário Oficial da União publica hoje (22) resolução da Câmara de Comércio Exterior (Camex) que reduz o imposto de importação de autopeças não produzidas no Brasil ou no Mercosul. As autopeças que integram a lista serão reduzidas para 2% e o objetivo de dar maior competitividade ao setor automotivo.

 

Assinar este feed RSS