Redução da confiança ocorre em todos os setores

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV) recuou 1,5 ponto em novembro, para 95,6 pontos. Em médias móveis trimestrais, o indicador manteve-se em ligeira alta, de 0,3 ponto no mês. 

  • Publicado em Economia

Busca das empresas por crédito cai em setembro

A busca das empresas por crédito registrou baixa de 3,3% em setembro deste ano, quando comparada com o mesmo mês de 2019. De acordo com o Indicador de Demanda das Empresas por Crédito da Serasa Experian, esta é a terceira queda consecutiva do índice.

  • Publicado em Economia

Abertura de empresas cresce 17,7% em junho

O Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian mostra que foram criados 277.857 novos negócios em junho, quantia que representa um crescimento de 17,7%, após duas quedas, na comparação ano a ano.

Confiança empresarial sobe 3,0 pontos em setembro

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV) subiu 3,0 pontos em setembro, para 97,5 pontos, ficando 1,5 ponto acima do nível de fevereiro deste ano, último mês antes de a economia ser fortemente abalada pela crise de saúde. 

Brasil Capital anuncia aquisição de ações da Cury

A Cury Construtora e Incorporadora anunciou que recebeu uma comunicação do BC Gestão de Recursos Ltda. (“Brasil Capital”), informando a aquisição de participação acionária relevante, superior a 5% do total de ações ordinária emitidas, equivalentes a 16.040.000 ações ordinárias desta espécie. 

Confiança empresarial deverá avançar em setembro

A prévia extraordinária das Sondagens da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), com dados coletados até o dia 14 deste mês, sinaliza avanço da confiança empresarial e dos consumidores em setembro. Em relação ao número final de agosto, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) aumentaria 0,8 ponto, para 95,3 pontos, enquanto o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) cresceria 2,1 pontos, para 82,3 pontos.

  • Publicado em Economia

37,5% das empresas foram afetadas pela pandemia

Dos 3,0 milhões de empresas em funcionamento na segunda quinzena de julho, 37,5% informaram que a pandemia afetou negativamente suas atividades, enquanto para 36,3% o efeito foi pequeno ou inexistente e para 26,1% o efeito foi positivo, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Assinar este feed RSS