Toro Investimentos doará corretagem de Vale3 às vítimas de Brumadinho

  •  
			Corretora cria iniciativas especiais como gesto de solidariedade aos atingidos pelo rompimento da barragem 1 do complexo Mina do Feijão Foto: Divulgação Corretora cria iniciativas especiais como gesto de solidariedade aos atingidos pelo rompimento da barragem 1 do complexo Mina do Feijão

Na última sexta-feira, 25, o Brasil e o mundo assistiram a mais uma tragédia envolvendo barragens de mineração. Desta vez, a barragem 1 do complexo Mina do Feijão da mineradora Vale se rompeu em Brumadinho, Minas Gerais, e derramou um verdadeiro mar de lama que atingiu casas, uma pousada, além do refeitório e uma área administrativa da empresa.

O grave acidente deixou até o momento 60 mortos e mais de uma centena de desaparecidos, segundo informações divulgadas pela Defesa Civil de Minas Gerais.

Ainda de acordo com os órgãos competentes, 382 pessoas foram localizadas e 191 foram resgatadas em locais isolados. Além disso, 292 ainda permanecem desaparecidas. Dos 60 mortos, 19 foram identificados até o momento. Há ainda 135 pessoas desabrigadas.

A tragédia comoveu a todos e não só o Brasil, mas outros países se propuseram a ajudar nas buscas e nos demais problemas que possam surgir devido ao evento.

Entre os doadores brasileiros está a Toro Investimentos, primeira fintech do Brasil a lançar sua própria corretora, que anunciou esta segunda-feira, 28, uma ação especial para ajudar as vítimas de Brumadinho.

Segundo a empresa, toda a receita proveniente da corretagem do papel Vale3, recebida desde o início do mês até hoje será destinada às frentes de apoio.

“Essa é uma forma simbólica que encontramos de compartilharmos nossa solidariedade com todos os afetados pelo incidente”, destaca Gabriel Kallas, um dos sócios da Toro Investimentos. Segundo ele, o destino exato dos recursos está sendo avaliado para garantir que o dinheiro chegue a quem precisa da forma mais assertiva possível.

A Toro Investimentos está organizando também uma campanha interna para que seus funcionários possam doar os itens apontados pela Defesa Civil como ainda necessários.

(Redação - Investimentos e Notícias)