UE adia decisão sobre novas sanções contra a Rússia

  •  
Os países europeus não conseguiram entrar em acordo nesta quarta-feira sobre a adoção de novas sanções contra a Rússia Foto: Divulgação Os países europeus não conseguiram entrar em acordo nesta quarta-feira sobre a adoção de novas sanções contra a Rússia

Os países europeus não conseguiram entrar em acordo nesta quarta-feira sobre a adoção de novas sanções contra a Rússia, e uma nova reunião dos embaixadores foi convocada em Bruxelas na quinta-feira, informou uma fonte europeia.

Os embaixadores dos 28 Estados "se reunirão novamente amanhã para continuar a discutir sobre as sanções, o que permitirá uma avaliação mais aprofundada da situação no terreno" na Ucrânia e "novas consultas", indicou a fonte.

Na segunda-feira, a União Europeia aprovou novas sanções contra Moscou, mas condicionou sua entrada em vigor à evolução da situação no leste da Ucrânia depois da trégua.

Um "protocolo" de cessar-fogo de doze pontos foi estabelecido na sexta-feira em Minsk, capital de Belarus, entre Kiev e os rebeldes pró-russos para acabar com cinco meses de um conflito que deixou cerca de 2.800 mortos, de acordo com os últimos dados da ONU.

Esta manutenção dos esforços bilaterais não convenceu a União Europeia, que desconfia do Kremlin - acusado de fazer jogo duplo - e aprovou uma nova série de sanções econômicas.

Na segunda-feira, uma fonte diplomática indicou que vários países se mostraram reticentes que as sanções entrassem em vigor na terça.

Nesta quarta, a chanceler italiana e futura chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, indagada sobre quando as novas sanções entrariam em vigor, afirmou que a unidade da UE está em primeiro lugar.

Os detalhes sobre as novas sanções serão conhecidas apenas quando forem publicadas no Diário Oficial.

Segundo fontes diplomáticas, as novas medidas se limitariam ainda mais ao acesso aos mercados de capitais dos bancos públicos russos e também companhias petroleiras como a Rosneft e a Transneft. As informações são da AFP.

(Redação- Agência IN)