PMI Composto do Brasil registra 45,1 pontos em março

  •  
PMI Composto do Brasil registra 45,1 pontos em março (Foto: Pexels) PMI Composto do Brasil registra 45,1 pontos em março

O setor de serviços do Brasil entrou fortemente em território de contração desde março, quando o aumento nos casos da doença do coronavírus de 2019 (COVID-19) e a reimplementação de restrições levaram a um declínio acentuado do volume de novos pedidos, segundo dados do Markit Economics. Em resposta, as empresas reduziram a atividade de negócios ao ritmo mais rápido desde meados de 2020, e continuaram reduzindo postos de trabalho. Enquanto isso, as pressões inflacionárias sobre os custos se intensificaram, sendo o aumento mais recente o mais acentuado em mais de cinco anos. Os preços de venda aumentaram a um ritmo mais lento, embora acentuado, e algumas empresas limitaram os ajustes de preços devido a iniciativas de aumento das vendas.

Com 44,1 em março, o Índice de Atividade de Negócios do setor de Serviços da IHS Markit para o Brasil permaneceu em território de contração pelo terceiro mês consecutivo. Com queda em relação aos 47,1 de fevereiro, o indicador mais recente aponta para o ritmo de redução mais acentuado desde julho de 2020. De acordo com os participantes da pesquisa, a queda se deve à continuidade do enfraquecimento da demanda, ao aumento da crise da COVID-19 e a restrições mais rígidas visando combater a doença.

Não só o índice de novos negócios caiu pelo terceiro mês consecutivo, como foi ao ritmo mais acelerado desde junho do ano passado. Além disso, a queda foi disseminada nas cinco grandes áreas da economia de serviços. A contração mais forte foi registrada no segmento de serviços ao consumidor.

Os dados de março também indicaram um novo declínio do índice de novos pedidos do exterior, após a retomada do crescimento em fevereiro. A demanda estrangeira por serviços brasileiros teve a pior queda desde outubro do ano passado.

As evidências destacaram a crise da COVID-19 como o principal fator limitando as vendas para o exterior. Os esforços contínuos para reduzir os custos, além da renovação da queda no índice de novos negócios, se traduziram em mais redução de postos de trabalho no setor de serviços. O índice de emprego caiu pelo quarto mês seguido e ao ritmo mais rápido desde outubro de 2020. Foram observadas quedas em quatro das cinco categorias monitoradas, sendo a única exceção o crescimento das empresas de informação e comunicação.
Os prestadores de serviços viram suas despesas aumentarem ainda mais em março, com a taxa geral de inflação dos preços de insumos atingindo o patamar mais elevado em mais de cinco anos. Os participantes da pesquisa informaram preços mais elevados para alimentos, combustível, insumos, equipamentos de proteção individual (EPI) e serviços públicos. A alta foi frequentemente atribuída ao enfraquecimento do real (em relação ao dólar dos EUA) e à indisponibilidade de materiais.

Os preços de venda subiram em resposta ao aumento das despesas. A taxa de inflação permaneceu acentuada, embora abaixo do recente pico de fevereiro. O aumento foi contido pela concessão de descontos por parte de algumas empresas, que se esforçaram para obter uma vantagem competitiva.

Os prestadores de serviços permaneceram confiantes de que a atividade de negócios aumentará ao longo dos próximos 12 meses, mas o nível geral de confiança caiu em março. O otimismo foi contido pelas crescentes preocupações em torno do aumento nos casos de COVID-19.

PMI Composto

Em março, pelo terceiro mês consecutivo, a atividade do setor privado caiu. Além disso, o Índice Consolidado de dados de Produção caiu de 49,6 em fevereiro para o menor patamar em nove meses: 45,1, destacando uma taxa de contração acelerada e acentuada. A queda mais rápida da atividade de serviços em oito meses foi acompanhada de uma queda renovada da produção nas fábricas.

Da mesma forma, o índice de novos pedidos caiu tanto para os fabricantes de produtos quanto para os prestadores de serviços. Consequentemente, as vendas consolidadas caíram pelo terceiro mês seguido e ao ritmo mais acelerado desde meados de 2020.
Os dados de março indicaram uma queda ampla nos números relativos à folha de pagamento nas categorias de produção e de serviços. Como resultado, o índice agregado de emprego se contraiu ainda mais. O ritmo de redução de postos de trabalho foi moderado, mas o mais acentuado desde agosto do ano passado.

A confiança nos negócios caiu em março, abafada pelas crescentes preocupações a respeito do aumento de casos de COVID-19 e a reimplementação de restrições. O nível geral de sentimento positivo foi registrado no menor patamar em nove meses e abaixo da média histórica da série. O otimismo diminuiu entre os fabricantes de produtos e as empresas de serviços.

A taxa de inflação dos preços de insumos no setor privado atingiu um novo recorde em março, em meio a acelerações notáveis em ambas as categorias de produção e serviços. Os preços de venda agregados subiram a um ritmo mais lento, embora ainda acentuado. A taxa de inflação se acelerou junto aos fabricantes, mas se mostrou reduzida para as empresas de serviços.

(Redação – Investimentos e Notícias)