Grupo Air Liquide cresce 3,5% no 3 trimestre de 2019

  •  
Grupo Air Liquide cresce 3,5% no 3 trimestre de 2019 Foto: Divulgação

A Air Liquide anunciou seus resultados para o terceiro trimestre de 2019. A empresa produtora de gases, tecnologias e serviços para a indústria e saúde totalizou 5,4 bilhões de euros em receitas, o que representa um crescimento de 3,5% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

O Grupo também teve crescimento sobretudo nas atividades do segmento de Gás e Serviços, com participação de 96% no total da receita obtida.

Apesar de um crescimento global mais moderado, todas as atividades da área de Gás & Serviços cresceram numa base comparável.

De acordo com a empresa, o Grupo também continuou a implementar seu programa de eficiência operacional, que atingiu 310 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2019, em linha com a meta anual de mais de 400 milhões de euros.

O crescimento do fluxo de caixa operacional foi claramente maior do que o crescimento das vendas. As decisões sobre investimentos aumentaram, totalizando 2.7 bilhões de euros no final de setembro.

A área de Gás & Serviços cresceu em vendas (+3.5%). Na área de Engenharia & Construção, as vendas para clientes terceiros permaneceram estáveis se comparadas com o 2º trimestre, com recursos atribuídos principalmente para projetos internos das áreas de Grandes Indústrias e Eletrônicos. A área de Mercados Globais & Tecnologias manteve seu forte desenvolvimento, com um crescimento de +29,7%.

As receitas da área de Gás & Serviços no 3º trimestre de 2019 alcançaram 5.242 milhões de euros, alta de +3.5% numa base comparável.

As receitas da área de Gás & Serviços nas Américas totalizaram 2.137 milhões de euros, um aumento de +2.0% durante o 3º trimestre de 2019.

Já as receitas consolidadas do setor de Engenharia e Construção da companhia atingiram os 81 milhões de euros, igualmente registrado no 2º trimestre.

As vendas na área de Mercados Globais & Tecnologias subiram +29.7% no 3º trimestre, alcançando 131 milhões de euros. O biometano foi o principal responsável para tal crescimento, aumentando a produção em várias unidades na Europa.

Por fim, os ganhos de eficiência alcançaram 310 milhões de euros desde o início do ano, um aumento de mais de +20% em comparação com o final de setembro de 2018.

(Redação - Investimentos e Notícias)